Ir para o conteúdo

domingo, 11 de abril de 2021

Notícias

TCE aponta desempenho da Prefeitura de Barretos de 2015 a 2020

Em 2015, o terceiro ano da gestão do então prefeito Guilherme Ávila, o município de Barretos havia recebido nota B do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) no índice que avalia o desempenho das prefeituras de todo o estado em sete parâmetros.
Em 2020, quando encerrou sua administração mais cedo por decisão da Justiça, a nota havia caído para C+, regredindo de um desempenho efetivo para em fase de adequação, segundo metodologia do TCE.
Em 5 dos parâmetros 7 foram analisados no Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEG-M), criado em 2015, o município regrediu de notas. Em dois, se manteve com nota estável entre os anos de 2015 e 2020.
No índice que mede o grau de utilização de recursos tecnológicos em áreas como capacitação de pessoal, transparência e segurança da informação, a nota do município regrediu de B para C+.
No índice que mede o grau de planejamento de ações relacionadas à segurança dos munícipes diante de eventuais acidentes e desastres naturais, a redução foi de B+ para C.
A nota relacionada às questões do meio ambiente, que mede os resultados das ações relacionadas ao ecossistema que impactam serviços e a qualidade de vida do cidadão, a regressão foi de B para C.
No parâmetro Saúde, que mede os resultados da área por meio de quesitos relacionados à Atenção Básica, às Equipes de Saúde da Família, aos Conselhos Municipais de Saúde, a tratamentos e vacinação, a avaliação caiu de B+ para B.
A nota que mede os resultados do setor da Educação, por meio de quesitos relacionados à Educação Infantil e ao Ensino Fundamental, com foco em infraestrutura escolar, foi regredida de A para B.
A avaliação da cidade só se manteve com notas estáveis nos quesitos Fiscal (B+) e Planejamento (C).
O Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEG-M) foi criado em 2015 pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para medir a eficiência das 644 Prefeituras paulistas. Com foco em infraestrutura e processos, avalia a eficiência das políticas públicas em sete setores da administração saúde, planejamento, educação, gestão fiscal, proteção aos cidadãos (Defesa Civil), meio ambiente e governança em tecnologia da informação.

Compartilhe: