Ir para o conteúdo

quarta-feira, 25 de maio de 2022

Artigos

Você se sente ansioso? Fatores que envolvem os transtornos de ansiedade

Diante de momentos importantes como uma prova difícil, uma apresentação em público ou uma entrevista de emprego, normalmente ficamos ansiosos. Criamos uma preocupação com algo que ainda não aconteceu e esses pensamentos são o tempo todo alimentados pela nossa imaginação. Mas, existem casos em que a ansiedade se torna persistente, sem depender de uma “motivação” e esta condição passa a exigir um acompanhamento multiprofissional.
Em resposta a isso, o corpo passa a se preparar para enfrentar um desafio, hormônios são liberados na corrente sanguínea, ocorre uma tensão muscular, o coração fica acelerado, ocorre aumento da transpiração, agitação e em alguns casos confusão mental esses são alguns dos sintomas imediatos durante um episódio de estresse. Todas essas alterações fisiológicas, no entanto, acontecem antes no cérebro. Isso porque, nesse momento, o corpo percebe uma situação de ameaça e precisa reagir de modo automático e quase imediato muda para o modo “lutar ou fugir”, o corpo pensa que está sob ataque e se prepara para se defender, liberando uma mistura complexa de hormônios.
Medo, insegurança e angústia são emoções que todos nós sentimos em algum momento ou situação. Entretanto, em algumas pessoas esses momentos aparecem constantemente, prejudicando sua vida diária. A maneira como reagimos a esse momento estressante é o que diferencia uma “ansiedade normal” de um “transtorno de ansiedade”, passando a ser considerada uma patologia. Utiliza-se o termo “transtorno” porque ele se refere a algo que desorganiza a vida do indivíduo gerando sofrimento excessivo.
Tudo isso acontece muito rapidamente, são apenas alguns segundos entre o momento em que você percebe que está em uma situação de risco e o início da liberação de hormônios pelo cérebro. É uma reação automática do organismo, que involuntariamente começa a se preparar para lidar com uma ameaça, que pode ser real ou imaginária. E, como essas alterações ocorrem no cérebro, o método que eu desenvolvi de ginástica para o cérebro e que foi reconhecido pela comunidade científica em diversos países, pode e deve fazer parte do tratamento, assim como a terapia e as resoluções indicadas pelo seu médico. Por isso, não desanime, busque ajuda, pois existem mecanismos de ajuda importantes hoje em dia.

Compartilhe: