Ir para o conteúdo

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Artigos

Venha a nós o vosso Reino

Meditando passo a passo o Pai-nosso, oração de Jesus e da Igreja, e de cada fiel que crê em Jesus, e de cada pessoa humana aberta ao Espírito Santo, que busca a verdade, vemos que todos podemos rezar o Pai-nosso, porque não se faz referência a nenhum dogma, a nenhuma religião.
Nela, o único nome que é citado é “Pai”, nem o nome “Deus” se encontra. Isso para mim é maravilhoso, porque ultrapassa todas as religiões e nos faz entrar no universo do amor infinito.
Todos, quando olhamos para o céu, sentimos a alegria de poder pronunciar esta palavra ternamente humana e eternamente divina: “Pai”. E nesta seção do Catecismo, que comentamos, que se fala do Reino. Que esse Reino venha a nós!
Mas podemos nos perguntar: o que é esse Reino, ou melhor, quem é esse Reino? Na minha modestíssima e ousada opinião, o Reino não é algo de abstrato, mas algo de concreto, de encarnado, de visível. O Reino é um nome que esconde uma pessoa, e essa pessoa se chama Jesus. Ele é a visibilidade tangível do Reino de Deus. Ele, fazendo-se carne, veio como Rei no meio de nós, e não há mais diferença entre reino e quem reina.
Vamos iluminar a nossa vida com as palavras do Catecismo: “O Reino de Deus existe antes de nós. Aproximou-se no Verbo encarnado, é anunciado ao longo de todo o Evangelho, veio na morte e na Ressurreição de Cristo. O Reino de Deus vem desde a Santa Ceia e na Eucaristia: ele está no meio de nós. O Reino virá na glória, quando Cristo o restituirá a seu Pai: ´O Reino de Deus pode até significar o Cristo em pessoa, a quem invocamos com nossas súplicas todos os dias e cuja vinda queremos apressar por nossa espera. Assim como Ele é nossa Ressurreição, pois nele nós ressuscitamos, assim também pode ser o Reino de Deus, pois nele nós reinaremos´” (CIC 2816).
O que dizer diante de tanta profundidade de pensamento e de clareza de ideias? O Reino de Deus está no nosso meio, e tem um nome, o meu nome, o seu nome, na situação atual da história. Nada é possível sem a nossa cooperação, pobre, humilde, mas eficaz.

 

 

(Por: Frei Patrício Schiadini, OCD – Carmelita Descalço)

Compartilhe: