Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

União (U.E.C) : decisão lógica com votação maciça

Nossa Barretos é de fato uma cidade diferente dos modelos existentes em todas as paragens. Uma assembleia proposta para apenas uma decisão: transferir o montante de 4 milhões mais 320 mil reais que sobraram da liquidação da UEC na compra de títulos patrimoniais do Rio das Pedras CC.
Parabéns ao Riopedrenses. A diretoria esteve aberta a algo que lhe seria uma excelente aquisição. Porém, um negócio trazido aos 2.000 sócios da União, de maneira até surpreendente, que vinha sendo negociado pela Diretoria provisória da União, segundo citado, por dois meses, quase que diariamente.
Presença maciça de associados, em torno de 300 associados, de início causou impacto sugerindo isso que a decisão não poderia estar à margem do correto e da lógica.
A lógica: o dinheiro ser distribuído aos associados remanescentes significando um ato de justiça natural.
O que estava estranho: essa possibilidade constar como proibida pelos Estatutos do clube, denotando estar na contra mão do interesse do associado, nessa situação a que foi levado o clube vermelhinho.
Daí desdobrar hipóteses, uma das quais seria doar a instituições benemerentes, como pude até sugerir. No caso de ser inarredável do cumprimento do que está escrito no estatuto.
Por fim, prevaleceu o brado de centenas de presentes, contrariando ao que estava sendo proposto pela Comissão, assustando ao ponto de a votação ter sido unânime e contrária ao negócio que seria feito com o RPCC. Ou seja: nem os próprios diretores da comissão votaram favoráveis ao que trouxeram como assunto único da assembleia.
Ficou acertado o compromisso de nova assembleia na 2ª. quinzena de Abril, para que se mude o Estatuto, possibilitando aquilo que é óbvio: o dinheiro poder ser devolvido aos associados, cada qual podendo fazer o próprio desejo, desde doar a quem quiser, passando pelo seu uso pessoal ou até comprar um título de qualquer outro clube da cidade.
O detalhe crítico e relevante é que nem sempre a surpresa trabalha em favor da maioria e produzida pela voz ativa das bases interessadas: o sócio fazendo valer uma decisão óbvia e natural.
Outras vezes a surpresa cursa com prejuízo às maiorias interessadas. Desta vez, funcionou a voz da base de um clube entristecido pelo encerramento e dissolução de tempos gloriosos.
O que não se pode deixar de frisar é que o Rio das Pedras Country Club continue a ser respeitado pelo arrojo de seus diretores e associados, não deixando de estar próximo e presente no caso de poder também contribuir.
Dessa vez, desnecessário por prevalecer uma decisão lógica e natural para os associados unionistas.
Valeu…!

 

 

 

Dr. Fauze José Daher
Médico e Advogado
Associado de Grêmio /
União / Rio das Pedras

Compartilhe: