Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

Um Natal de paz!

Naquela noite santa em que numa gruta em Belém nasceu o Salvador, os primeiros a serem avisados foram os pastores que guardavam os seus rebanhos nos arredores da cidade. Nada menos do que os anjos foram os portadores desta notícia que encheu os pastores de alegria, pois foram às pressas ao encontro do Menino Jesus.
Ao anunciar o nascimento do Salvador, os anjos entoavam um hino que ainda hoje ressoa aos nossos ouvidos: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e na terra, paz a todos por ele amados!” (Lc 2,14).
Em muitos de nós a celebração do nascimento do Salvador desperta os sentimentos mais nobres que habitam nos nossos corações: o desejo de amar mais, de traduzir o amor em gestos de bondade, o espírito da fraternidade, o anseio pela paz e a esperança de encontrar-se com Jesus que, nascendo em Belém, nos oferece a sua amizade.
O nascimento de Jesus nos revela a glória de Deus! Santo Irineu, no século IV da era cristã, já dizia que “a glória de Deus é a vida dos homens”. Na manjedoura, o “recém nascido envolto em faixas” nos revela o quanto somos amados por Deus e como lhe importa a vida de cada pessoa humana.
Mas este nascimento também nos revela que a vinda do Filho de Deus à nossa terra é a manifestação do seu desejo de paz a todos os que são por ele amados, ou seja, a todos!
Num tempo marcado pela guerra, por tensões, disputas, ódios e rivalidades, Jesus na sua manjedoura nos convida a abandonar todo ódio e fazermos prevalecer a paz.
O Papa Francisco na sua Mensagem, neste ano, para o Dia da Paz que se comemora no dia 1º de janeiro, escreve: “Com efeito, é juntos, na fraternidade e solidariedade, que construímos a paz, garantimos a justiça, superamos os acontecimentos mais dolorosos”.
Os meus votos de Natal, neste ano, são de que aprendamos com o Menino Deus, reclinado na manjedoura, a lição de que somente na paz podemos garantir um futuro de esperança. Iluminados por Ele, possamos dizer como São Francisco de Assis: “Senhor, fazei-nos instrumentos de vossa paz!”

 

 

Dom Milton Kenan Júnior
Bispo de Barretos

Compartilhe: