Ir para o conteúdo

domingo, 24 de agosto de 2014

Artigos

TIRARAM O SOFÁ DA SALA

Bom Dia Barretos. 
Talvez, por ter incorporado o espírito da festa do peão, me dei o direito de repetir aqui, a história do marido que, ao chegar em casa, encontrou sua mulher com outro homem, no sofá da sala transformado em cama, e então se desesperou. O parceiro saiu correndo em disparada, carregando suas roupas íntimas, enquanto o marido traído, tomado de um acesso de raiva, tomou uma atitude radical. Determinou já na manhã seguinte, que o sofá fosse retirado da sala. 
Digo isso, porque aqui em Barretos está acontecendo um caso, muito semelhante. A administração municipal, dizendo que mendigos e drogados estavam usando os sanitários públicos das praças para outros fins, em vez de fazer retonar ao trabalho as pessoas que os mantinham limpos e em ordem, simplesmente mandou aterrá-los, trazendo prejuízo de ordem social para a população e de ordem financeira para a municipalidade. Dizer que para mantê-los teria que pagar pessoas, é a pura verdade, mas creio que é, inclusive, para mantê-los limpos e servindo à nossa população é que pagamos os impostos. 
Qualquer semelhança com a historieta acima é mera coincidência. A Praça São Benedito, por exemplo, tem três quiosques, onde se toma um lanche, mas também se vende bebidas. Se os clientes precisarem de um banheiro irão aonde? Nas laterais da Igreja ou nos muros das casas da redondeza. E nas quermesses, com as pessoas sentadas nas mesas e tomando sua cervejinha? O que farão? Baterão nas portas das casas e pedirão licença para adentrarem e usarem o banheiro? Ou chamarão um taxi, irão até suas residências fazerem pipi ou xixi, enquanto o taxi fica esperando, para em seguida retornarem? E idosos, que estão na missa ou na espera da chegada da noiva, num casamento demorado, farão suas necessidades nas calças? Dizer que podem usar o banheiro da rodoviária, creio que seja uma brincadeira. Tal banheiro é para uso exclusivo de passageiros, funcionários e público da rodoviária. 
Se amanhã, um novo prefeito for eleito e tentar corrigir tal disparate, ou mesmo, se pelo clamor popular, o atual prefeito reconhecendo o erro, tiver que o corrigir, quem arcará com tais custas? O erário público, a municipalidade que por um erro de avaliação administrativa, destruiu algo feito, e que atendia a necessidade da população. Bem, ao dizer erário publico, em verdade estou dizendo que tal ônus recairá sobre a população, que religiosamente paga seus impostos, e de quem estão tirando até o direito de fazer pipi e xixi. 
Tudo muito estranho. Ao ler o diário oficial de 12 de agosto, constatei que a prefeitura, através do contrato 413/14 contratou a empresa “Atitude serviços de portarias e limpeza Eireli EPP”, por R$ 1.904.452,00 reais, para fornecer controladores de acesso, sendo 6.845 horas diurnas e 3.988 horas noturnas, referente ao uso de ata de registro de preços, pregão 63/14. Vocês se lembram dela? É aquela já contestada licitação para controladores de acesso, aliás, famosa licitação, com salários diferenciados e que já tivemos oportunidade de analisar num dos artigos anteriores. Será que isso não pesa nos cofres públicos? Só meia dúzia de mulheres e outro tanto de homens para garantir a limpeza e o controle dos sanitários é que pesarão nos cofres municipais? Será que a prefeitura usar ata de registro de preços para contratar funcionários é legal? Continuo acreditando que não.
Bem, desejo a todos uma feliz festa do peão e que DEUS se apiede de nós e de nossa cidade.
BOM DIA BARRETOS.

Compartilhe: