Ir para o conteúdo

sábado, 25 de março de 2017

Artigos

Suportar uns aos outros

O Apóstolo Paulo quando escreve aos Efésios exorta à comunidade a perseverar na humildade e mansidão “suportando-vos uns aos outros no amor” (Cf. Ef. 4,2). De fato, em uma comunidade, todos são iguais e possuem virtudes e defeitos. 
Antes de condenar alguém, o melhor caminho é refletir e ser compreensivo, solidário. O outro não pode ser julgado só pelo fato de ser diferente em qualidades e misérias. Ganha muito mais quem é compreensivo. Ora, ser compreensivo é, sobretudo, amar o outro como ele é, colocando-se em seu lugar. Ser compreensivo é ter a capacidade de criar pontes de solidariedade a cada vez que se deparar com situações de precariedade e necessidades do outro. Suportar uns aos outros é esforçar-se e utilizar todos os meios para criar pontes de solidariedade entre os homens. É fazer-se presente na vida dos demais, tornando-se, através do testemunho, protagonistas de um mundo novo.
Suportar um ao outro é ser, no cotidiano, embaixador de reconciliação, eliminando o espírito de competição que impede a cooperação, principalmente nos relacionamentos entre as pessoas. Suportar um ao outro é substituir o julgamento pela justificação descobrindo o positivo de cada pessoa, sobretudo, nos momentos de falta e erro. É semear a paz, lembrando que nos relacionamentos as suposições podem levar a maus juízos e injustiças. Cumprir o mandado do Apóstolo é procurar a reconciliação mesmo quando parece impossível, sempre percorrendo o caminho de paz e união, da escuta e do diálogo.
A quaresma, tempo que já vai adiantado, é momento propício para esta tomada de atitude. É o tempo oportuno para a conversão e tornar-se um embaixador da reconciliação, da escuta e semeador da paz.
 
Diego Mendes – Seminarista

Compartilhe: