Ir para o conteúdo

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Artigos

Sobre o tempo do amor

Lamenta-se a falta de amor. O mundo não estaria bem porque amaríamos de menos e de menos seríamos amados. Isso me soa contraditório: declaramos amor a tudo e amamos de todas as formas. Dizemos amar pais, filhos, vizinhos, indígenas, mendigos, bichos… ursinho de pelúcia.
Amamos artistas da novela; herói, mocinhas e bandidos; vídeos da internet, ou alguém em um teclado distante. Quando amamos de demasiado longe, amamos a própria imaginação. Restamos nos expondo sem pudor, o que não é necessariamente mau, em aplicativos de relacionamento.
Ao cabo de tantas falas, parece que todo mundo se ama e ama todo mundo por muitas maneiras. Ou então deturpamos a palavra amor. Demos de usá-la para significar gosto ou interesse por qualquer coisa: o trabalho, a roupa, o veículo, o gato, o sorvete, o cachorro, o cachorro-quente…
Creio que há declaração de amor em excesso. Mas esse amor declaratório é amor de outro tipo: é vazio, falado sem nada que venha de dentro; um uso vulgarizado da palavra; palavra sem emoção. Essa exuberância amorosa piegas é advento de emotividade barata.
Estou pensando no amor apaixonado, na atração irresistível entre pessoas que se conhecem, se envolvem e se desejam. Tenho gosto por forma e conteúdo da paixão avassaladora que nasce, vive e morre. Habita-me antiga dúvida: como sobrevive um caso de amor que já morreu.
Há explicações de que um par se atrai por componentes bioquímicos, cheiro, fenótipo, resistências a bactérias, interesse, relações de dominação, busca de provimento, sapiossexualidade, associação com pai ou mãe, carência… Talvez se ame por tudo isso e algo mais.
Eu sei que a paixão começa sem qualquer comedimento, com muitas promessas, com todas as ofertas, com uma busca ávida e insaciável do outro. Há um gozo sôfrego, inesgotável, mas que se enternece com um toque, uma palavra, um gesto. Um vendaval, ou uma brisa, é igual.
Os amantes querem tudo e contentam-se com pouco. São ciumentos, são generosos. Pedem demais e dão-se demasiado. Os amantes são caprichosos e egoístas, mas, contrariando-se, dão-se um valor tal como se cada qual valesse por tão só existir. A fase do “só vou se você for”.
Depois, como pode!?, a relação se reconstitui em suspeita recíproca: uma tenta se apropriar da outra. Estabelecem-se limites sempre desrespeitados, os enamorados tornam intrusivos; eram cúmplices, agora são fiscais. Um pode-tudo se converte em um sistema controles proibitivos.
Passa o tempo, vêm descuidos. Há mentiras, talvez traições. O amor fica sem viço. Vai-se o devaneado juntos, fica a rotina. O gozo da presença vira obrigação. A gentileza está dever doméstico. Então buscavam-se; já só se aturam. Um silêncio carregado de sentidos ruins toma conta da relação.
Conversão dos sentimentos: prazeres em afazeres constrangidos; brincadeiras em rabugice. O tesão irrefreável, quando muito, sobra como carinho fraternal. O sexo afoito acaba em débito conjugal. O casal já nem briga; só resta um cansaço. Depereceu, sem mais, a fascinação.
Estranhamento: se o casal sobrevive, uma parte morre aos poucos e vê a outra morrer igual. É momento de se ir; as partes não se vão. O casal já não se afeta. Cada qual se deve uma última emoção: a de partir. Se a chama de um amor não se recobra ao sopro da vida, a hora desse amor se foi.

 

 

Léo Rosa de Andrade
Doutor em Direito pela UFSC.
Psicanalista e Jornalista.

Compartilhe: