Ir para o conteúdo

quinta-feira, 05 de agosto de 2021

Artigos

SOBRE A PAZ QUE DESEJAMOS

Para a paz que desejamos, estamos de fato fazendo a nossa parte ou querendo a nossa parte? Durante o processo de subjetivação da humanidade, o homem buscou a paz nas contingencias do mundo, no que este pode oferecer para proporcionar bem estar e harmonia. Mas, estamos oferecendo o nosso contributo para essa paz que queremos?
Tudo o que ocorre no mundo externo é uma projeção do nosso mundo interno. Na prática, não existe uma separação entre interno e externo, entre individual e coletivo. Vivemos uma dicotomia acreditando que tudo é separado. Na realidade, todas as questões sociais que perpassam a humanidade são a manifestação, a “materialização” de nossos conteúdos, de nossas questões e de nossos conflitos. A paz, como qualquer outro aspecto, deve ser compreendida como processo interrelacional, onde existe interligação entre fatos e pessoas, de como somos e estamos no mundo e de suas manifestações.
A questão crucial é que jamais encontraremos a paz fora de nós, pois esta nasce de um movimento interno e se manifesta em nossas relações a partir das contribuições que fazemos para a materialização da proposta de mundo que desejamos. No entanto, sempre “nadamos contra a maré” da verdadeira paz. Ainda não a vivenciamos, pois o “eu quero”, o “eu sou”, o “eu tenho” e todo o movimento do ego que dissocia o homem do próprio homem é gerador de conflitos e isto não é um fenomeno social atual. Em seu percurso existencial, o homem sempre apresentou atritos de todas as espécies, sendo observados comportamentos e condutas característicos geradores de contendas em qualquer época, cultura, território ou espaço social e por motivos vários. Sempre houve conflito, o homem nunca soube viver em paz, embora deseje a paz.

Soraya Rodrigues de Aragão é psicóloga, psicotraumatologista, escritora e palestrante. Realizou seus estudos acadêmicos na Unifor e Università di Roma. Especializou-se em Psicotraumatologia pela A.R.P. de Milão.

Compartilhe: