sábado, 28 de novembro de 2020

Artigos

Seu produto ou serviço continua fazendo sentido para as novas necessidades do mercado?

A relação de consumo mudou e as empresas precisam repensar e se planejar para atender o novo comportamento do consumidor

Há quase seis meses, o mercado mundial sentiu uma mudança radical nos hábitos de consumo e, consequentemente, surgiram novas necessidades na rotina das famílias, que estão mais digitais, buscam qualidade de vida e valorizam a sustentabilidade e a responsabilidade social. Mas o que esse novo comportamento tem a ver com o seu negócio? O que o empresário deve fazer para se manter neste cenário?
A grande dificuldade dos empreendedores nesse momento é enxergar o futuro, entender para onde caminharão os negócios daqui para frente. Sabemos que muitos serviços e produtos ficaram incompatíveis nesta nova economia, mais virtual, que exige resposta ágil diante da inovação e da transformação digital. E o passo mais importante que qualquer empresário precisa dar agora é se planejar para este novo mercado, adequar o seu modelo de negócios. Esta é, sem dúvida, uma excelente oportunidade para os empreendedores se reinventarem.
Esse processo consiste em repensar todas as etapas da operação e entender como elas se adequarão ao mercado. O empresário deve fazer uma reflexão geral, de forma minuciosa, para entender se o produto/serviço e o seu relacionamento com o cliente estão alinhados com as novas necessidades de consumo. É a hora de avaliar se o que a sua empresa oferece continua tendo valor.
Muitas respostas vão nortear o desenvolvimento de um planejamento assertivo, com foco em novas estratégias organizacionais, de acordo com as transformações tecnológicas. Quem é o meu cliente? Onde ele está e qual o seu perfil? Qual é o problema dele? Como eu resolvo? Como vou abordar e me relacionar com ele? Em quais canais? Quanto meu cliente está disposto a pagar? Como fazer a conta fechar? O que eu posso agregar de valor no meu produto/serviço?
Todas essas reflexões devem ser respondidas e analisadas pelas próprias empresas, que sentem diretamente os efeitos das medidas de isolamento social: o consumidor está mais digital, compra apenas por necessidade, busca qualidade de vida, valoriza a sustentabilidade e reduziu os gastos com supérfluos, e está mais solidário.
Stay home (ficar em casa) é o novo padrão de comportamento, que vai se manter. Há uma priorização para o ambiente doméstico, valorização do espaço além do home office, refeições e lazer em família, a busca por novas experiências no aconchego do lar.
As novas necessidades de consumo surgem com o auxílio da tecnologia, que evoluiu de 5 a 10 anos, em poucos meses. A presença digital se tornou mais do que necessária. Muitas lojas aprenderam a vender e se comunicar on-line, por diversos canais como Lives em redes sociais (Facebook e Instagram) e WhatsApp, e isso foi essencial para continuarem no mercado.
Novos modelos de negócios surgiram e ainda podem aparecer a partir deste novo comportamento, em diversos segmentos da economia. A dica é se colocar no lugar do cliente, entender as mudanças em sua rotina, como ele está vivendo nesta quarentena.
Se a sua marca já conseguiu passar por esta etapa e se reposicionou neste momento, parabéns, você está no caminho certo! Agora, se você não adequou o seu produto/serviço, ainda dá tempo de fazer. Imagine como a sua empresa pode ajudar o cliente e a sociedade em geral.

Jean Dunkl
CEO da CPD Consultoria, consultor especialista em Gestão Estratégica de Negócios, gestor da Impera (Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Franca)

Compartilhe: