Ir para o conteúdo

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Artigos

Será que níveis baixos de testosterona podem causar depressão?

Janeiro Branco é o mês de conscientização sobre a saúde mental e um estudo publicado na revista Sexual Medicine, da Universidade de Oxford, mostrou que homens com baixo nível de testosterona são mais suscetíveis à depressão. Foi apresentado que 56% dos 200 homens, de idade entre 20 e 77 anos, com baixo nível do hormônio tinham a doença.
A testosterona é o hormônio virilizante, que faz os homens terem características masculinas da espécie humana. Desta forma, são responsáveis pelo instinto da reprodução da espécie e promovem o desejo sexual. Sua deficiência está relacionada a diminuição do libido e dificuldade na ereção.
O médico urologista Heleno Diegues Paes explica que ter taxas baixas de testosterona pode ocasionar mudanças no humor e comportamento, podendo precipitar a depressão em pessoas com propensão a este problema.
“A depressão e suas consequências nos hábitos cotidianos e alimentares podem mudar uma série de hormônios e substâncias no nosso organismo, inclusive a testosterona. Porém, poucos terão uma redução em nível patológico. Um ponto importante é que a depressão não é tratada com testosterona, mas sim com antidepressivos”.
Um ponto importante é que muitos sintomas de depressão são parecidos com os da deficiência androgênica, como cansaço, fadiga, perda de libido, ganho de peso e desânimo para atividades habituais. A diferença vai ser encontrada em exames clínicos e laboratoriais.
Entretanto, nos casos em que a doença mental estiver associada a duas ou mais medições laboratoriais de testosterona abaixo da normalidade, o Dr. Heleno afirma que a saúde mental poderá ser beneficiada com a terapia de reposição de testosterona.
Nos homens, os níveis de testosterona vão ao ápice aos 20 anos e começam a diminuir com o passar do tempo e além de problemas psicológicos, sua diminuição pode causar perda de apetite sexual, disfunção erétil, aumentar o suor o corpo e a irritabilidade.
Manter uma vida sexual ativa pode ser um forte aliado para manter o bem-estar e ajudar na saúde, seja ela física ou mental. “Para se ter uma boa saúde mental é preciso manter o cérebro motivado, com desafios, sentimentos, prazeres e descanso. Neste sentido o sexo pode ajudar”, completa o urologista.

 

 

Heleno Paes
Médico Urologista

Compartilhe: