quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Artigos

Sensível às necessidades das pessoas

“[…] Onde quer que ele entrasse, fosse nas aldeias ou nos povoados, ou nas cidades, pinham os enfermos nas ruas e pediam-lhe que os deixasse tocar ao menos na orla de suas vestes. E todos os que tocavam em Jesus ficavam sãos”. (Mc 6,53-56)

Não somente como Deus, mas inclusive como verdadeiro homem, Jesus foi sensível às necessidades daqueles que buscavam ao menos tocá-Lo, e animados a serem curados, o seguiam aonde fosse. E o que Jesus fazia? Atendia a todos sem distinção curando a muitos independentemente de sua origem, raça ou posição social.
Hoje, quem entre nós busca seguir o exemplo de Jesus em sua generosidade? Quem buscar curar os males atuais, tal como Jesus fazia? Quem consegue adivinhar os pensamentos dos outros, tal como Jesus também soube fazer naquela época? Quem é que busca estimular os desanimados, assim como Jesus estimulou? Inclusive, quem respeita a liberdade alheia que o próprio Deus garante a cada um?
Quem garante a liberdade? Pois, não raro, alguém sempre nos cerca com frases intimistas como: “ eu sou hiper sincero, portanto, não aceito traições”, “eu sou extremamente verdadeiro e, portanto, quem mentir para mim, será apenas por uma única ve”, “Eu sou sincero (a), verdadeiro e não tem duas cara” e blá, blá, blá e mais blá…
Você se enquadra no grupo de pessoas intimistas que, egoisticamente, colocam-se acima dos pequenos só porque exerce uma função de responsabilidade na sociedade, na Igreja, no trabalho? Ou, você busca garantir o bom humor, a esperança, a alegria e a satisfação de ser homem ou mulher com limitações e, portanto, falível, mas passível de acertar e aprender a ser melhor?
Assim como Jesus, o sucesso para ser feliz é fazer os outros felizes. Detalhe: não é necessário fazer uma multidão feliz, mas ao menos, acredito eu, que as pessoas próximas de você já é sucesso e Deus agradece.
Sendo assim, busque dar atenção às pessoas ao teu lado no trabalho, em casa, na rua, na igreja, e por onde passar sorria. Mesmo que você esteja lascado.

Diácono Carlos Araki
Paróquia Santa Ana e São Joaquim

Compartilhe: