Ir para o conteúdo

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Artigos

“Senhor, salva-nos, pois estamos perecendo”

Fala-se tanto em degradação do planeta Terra, que muita gente já está tão indiferente que chega a desacreditar nesta real situação ambiental. “Será que é verdade?”
Por todo lado são inumeráveis as vezes que vemos em reportagens, por rádio, tv, redes sociais, artigos, palestras etc etc que os biomas estão em grande parte destruídos, os oceanos repletos de plásticos, florestas devastadas, desertos se formando, açudes e rios secando… mas talvez não passe de fake news tão em moda hoje em dia, e esses descrentes ainda rotulam os que ficam divulgando tudo isso de “profetas do apocalipse”.
Alguns ambientalistas – que geralmente não são muito benquistos – ficam espalhando que o planeta não passa de 2050, devido ao acúmulo de destruição em voga, por aquecimento solar, diminuição da camada de ozônio, poluição, extinção de muitas espécies de animais vertebrados e invertebrados, além da degradação moral de pessoas não-cidadãs que entopem bueiros, rios e oceanos com seus detritos de qualquer porte. Aliás, tem estatísticas que mostram 8 bilhões de quilos de lixo por dia por pessoa, produzidos em média pelos seres humanos. Se for verdade, seriam 240 bilhões de quilos por mês… 2 trilhões e 800 bilhões por ano… Lixo esse que fica aqui no planeta, sendo muito pouco o que se recicla.
Também são indiferentes – mesmo que isso seja contestado – os G7, G15, G20 que governam o mundo. Enchem-se as gavetas de planos e projetos para salvar o planeta, ano a ano, e a situação parece ir de mal a pior.
Sabe um ambientalista muitíssimo conhecido, de renome internacional, e que até ele denuncia estes males, mas seus alertas e súplicas entram por um ouvido e saem por outro? – O papa Francisco! Promoveu um sínodo da Amazônia, e já tinha escrito a encíclica “Laudato Si” dois anos depois de chegar à cátedra de Pedro, documento esse que já completou seu 8º aniversário.
Mas essa sim é uma verdade incontestável: a Igreja não para de alertar a humanidade desse fim-de-mundo que se aproxima, caso não tome juízo. Aqui no Brasil, a CNBB – infelizmente também desconsiderada por tanta gente – já promoveu pelo menos uma dezena de Campanhas sobre a necessidade de se cuidar da nossa “casa comum”.

 

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: