Ir para o conteúdo

quarta-feira, 29 de maio de 2024

Artigos

Sempre é tempo para se buscar o reino dos céus

Uma grande parte das pessoas encontram-se indiferentes em relação à fé, à Palavra de Deus, aos sacramentos, a uma vida de oração e fidelidade aos mandamentos divinos. E muitas dessas pessoas procuram segurança, um ponto de apoio e sustentação nas coisas materiais. Mas será que realmente o que é material poderá suprir todos os desejos e necessidades humanas de todos os momentos?
Com certeza a resposta é não. Por mais rico que seja, existem infinitas coisas que não permitem venda, compra ou troca. Por exemplo, quando a mãe e o pai tem um filho, o amor que une essa família e produz frutos como carinho, respeito, valores, responsabilidade, educação, não pode ser negociado e sim gerado e cultivado. Dada a verdade e autenticidade desse amor, um é capaz de sacrificar-se, doar-se inteiramente em favor do outro. Nos momentos de luto, enfermidade, dificuldades nos relacionamentos e em tantos outros, pode-se perceber a ineficácia de apoiar-se somente em pilares materiais.
E se a certo ponto, devido a qualquer situação da vida, surgir o encontro e a busca por aquilo que transcende a realidade material, ou seja, o Reino dos Céus como está na sagrada escritura, o que fazer? Será tarde demais ou é possível começar uma vida nova? Com certeza a resposta é sim. Por mais tarde que pareça estar, o Senhor passa constantemente chamando a cada um para ficar na sua presença e trabalhar na sua vinha, como está na parábola do patrão que procurava trabalhadores para sua vinha: “O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha” (Mt 20, 1).
Alguns acolhem o chamado do patrão para trabalhar logo pela manhã, assim como aqueles que escutam o Senhor para buscarem o Reino dos Céus ainda muito jovens, ou seja, fixam seu olhar nas coisas que não passam e colocam suas vidas sobre pilares de valor inestimável, como a fé, o amor, a esperança, a fidelidade ao Senhor que chama e concede graças para a caminhada. Outros acolhem o chamado do patrão para trabalhar no final da tarde, assim como aqueles que despertam para o chamado do Senhor em suas vidas já com certa idade. Mas estes, ao assumirem uma nova vida pelo processo de conversão, passam a buscar os valores e caminhos do Reino dos Céus, recebem a mesma recompensa que os que fizeram isso antes, como encontra-se na parábola.
Portanto, não há necessidade de desespero ou desânimo para quem decide buscar o Reino dos Céus, basta acolher com autenticidade e atitude o chamado do Senhor. Peçamos ao Senhor a graça de sempre buscar o seu reino, sendo fiéis, confiantes, perseverantes, humildes e atentos aos seus chamados para uma vida nova, deixando de lado as muitas “seguranças” que nos são oferecidas constantemente.

Matheus Flávio da Silva
Seminarista

Compartilhe: