Ir para o conteúdo

segunda-feira, 27 de junho de 2022

Artigos

Saúde de Barretos: falta de qualificação médica e de enfermagem é questão de omissão por negligência

A promessa da Prefeita Municipal, tomando a saúde como o ponto de honra, deixa de cumprir necessidades óbvias no atendimento ao SUS (e conveniados também), sonegando a devida qualificação de médico(a)s e enfermeiro(a)s, colocando a gestão pública na condição de cúmplice das gravidades que têm ocorrido na cidade.
Há quase 50 anos, os médicos da Santa Casa eram admitidos por concurso refinado com exigência de tempo mínimo de Residência Médica ou título de especialista como REQUISITOS MÍNIMOS E ESSENCIAIS para contratação.
O que se vê hoje?
Por conta de um monopólio em cima de função pública essencial (saúde), coniventemente entregue a uma Fundação com especialização Oncológica, está levando a população de Barretos a uma situação degradante e lesiva com a grave indiferença de governantes.
Chega a ser patética a postura de colocar médicos e médicas formados há 3, 4 ou 5 meses para atender em locais públicos como a Santa Casa, a UPA e postinhos da cidade. Está colocado o interesse particular, estritamente financeiro, deixando de lado a segurança de oferta de medicina de padrão convencional aceitável.
Há, por outro lado, que se preservar a situação de jovens profissionais que, sem cobertura ou retaguarda de equipes de orientadores graduados e especialistas, sequer têm noção de que estão sendo explorados por volúpia arrecadadora (ou economizadora) de gestores e governantes.
Até por serem formados de forma desqualificada, como andam 80 por cento das faculdades de medicina, não conseguem ou podem entender o quanto estão sendo explorados, exatamente por não saberem que a formação e o ensino recebidos estão reconhecidamente precários e incompletos.
Nessa visão crítica, vai uma sugestão, como postura construtiva :
O que se sugere é que a Prefeita desfaça esse sórdido monopólio no atendimento, trate de cuidar dessa área de forma DIRETA, procure um Secretário de Saúde que realmente entenda de saúde pública e promova o que era feito classicamente em governos decentes: gerenciamento direto do Hospital, UPA e postos de saúde.
CONTRATAÇÃO DE MÉDICOS E ENFERMEIROS POR CONCURSO PÚBLICO, com pré requisitos indispensáveis, que são:
– mínimo de 6 anos de Residência Médica, em serviços qualificados, ou título de Especialista por Sociedades Médicas reconhecidas. Repetindo: isso como pré requisito para depois serem classificados em prova de concurso público.
– detalhe importante: que garanta carreira profissional para não se incorrer no costume ora vigente de sugar profissionais, muitas vezes responsáveis, e depois DESCARTÁ-LOS como tem acontecido nos últimos tempos.
Há 5 anos a população vem sendo enganada, acreditando com base na boa fé e com muita gente já sabendo que vidas se perderam ou podiam ser melhor cuidadas não fosse o prejuízo consequente desse nocivo monopólio.
Não pode a Santa Casa e postos de saúde serem usados da forma como estão, sabendo-se que o município tem os cofres abarrotados por força inclusive de recursos que vieram para a saúde nos últimos 2 anos.
Caso se queira ter um hospital escola, que se construa um novo, junto à faculdade de medicina, que é particular e com fartura de renda, crie-se ali um Corpo Docente de verdade e conquiste qualidade para atrair clientes num modelo de Hospital Universitário de verdade.
O que não se pode é usar um hospital público (Santa Casa), que envolve uso de verbas públicas, tendo sido sucateada nos últimos 5 anos, prejudicando altamente uma população inocente acreditando numa tradição construída com verdadeiro Amor (este, sim, antigamente existia), sendo um mero discurso em dias atuais.
Finalizando com um velho e verdadeiro ditado: “As pessoas conseguem enganar a muitos, por pouco tempo; enganam a poucos por muito tempo; porém, não conseguem enganar a todos por toda a vida”.
Quem nunca se enganou já não suporta mais.

 

 

Dr. Fauze José Daher
Gastro-Cirurgião e Advogado
Ex Diretor Clínico da Santa Casa
de Barretos. Ex-Presidente
da Assoc. Paulista de
Medicina – Regional de Barretos

 

 

Compartilhe: