Ir para o conteúdo

terça-feira, 08 de abril de 2014

Artigos

SÃO JOSÉ DE ANCHIETA, ROGAI POR NÓS!

O papa Francisco, sempre surpreendente, assinou dia 3 de abril, o tão esperado decreto de canonização do padre José de Anchieta. É bom lembrar que santo é aquele que serve de modelo de vivência da fé na comunidade cristã como referência de Amor. Agora, os brasileiros podem venerar Anchieta como santo, que, mesmo tendo nascido nas ilhas Tenerife (Espanha), viveu a maior parte de sua vida no Brasil, tendo aqui chegado com a Companhia de Jesus. Muito jovem, aos 19 anos, já evangelizava em terras brasileiras. Em vida já tinha fama de homem santo, dedicado principalmente ao povo, aos índios, tendo aprendido o tupi para poder melhor se comunicar com eles, mas também ensinando-lhes o amor redentor de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ainda no século XVI já se desejava vê-lo santo, com o cognome de ‘o apóstolo do Brasil’. Teve, porém, que esperar o primeiro papa jesuíta para concluir um processo que levou quase quatro séculos, mas que agora, enfim, depois de ter sido beatificado por João Paulo II em 1980, Anchieta foi canonizado por Jorge Mário Bergoglio.
Temos três santos do Brasil, mas nascido aqui no Brasil foi somente frei Galvão, que desde 2007 é Santo Antonio de Sant’Ana Galvão. Madre Paulina e José de Anchieta não são nascidos aqui, mas viveram boa parte de suas vidas e morreram no Brasil. De qualquer modo, com Anchieta, os jovens tem uma referência de santidade e de evangelização, pois o jovem Anchieta aceitou vir para terras tão distantes, na época um ambiente totalmente desconhecido, assumindo um grande desafio de evangelização. E soube corresponder e dar respostas concretas ao que a vida lhe exigiu, sendo um homem de serviço, de verdadeira caridade, de fibra moral e profundo amor e fidelidade à Igreja. Foi também poeta, conhecido por seus poemas à Nossa Senhora, alguns escritos na areia da praia. Suas cartas e poemas são hoje um patrimônio da nossa literatura do período colonial. 
O Padre José de Anchieta trabalhou muito na evangelização, com atitudes que em seu tempo já eram admiradas, pelo seu desprendimento e entrega ao trabalho, homem de serviço e não de poder. Viu também nascer São Paulo, tendo participado da primeira missa nas terras de Piratininga, no local onde hoje está localizado o chamado Pátio do Colégio, no centro da capital paulista, perto da Praça da Sé. Por isso, o cardeal de São Paulo também celebrou uma missa comemorativa da canonização de Anchieta. Que o apóstolo do Brasil possa interceder pelo bem do nosso País, para que preservemos sempre os princípios e valores cristãos na Terra de Santa Cruz. São José de Anchieta, rogai por nós!
 
Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Especialista em Gestão Universitária pelo IGLU (Instituto de Gestão e Liderança Interamericano) da OUI (Organização Universitária Interamericana) com sede em Montreal, Canadá.

Compartilhe: