Ir para o conteúdo

segunda-feira, 21 de junho de 2021

Artigos

Santa Teresinha enfrentou uma pandemia e deixou importante testemunho

Santa Teresinha do Menino Jesus deixou um importante testemunho de como enfrentar uma pandemia. Ela o registrou em seu livro “História de uma Alma”. A “Pequena Flor” sofreu com a pandemia de gripe de 1890, também chamada de “gripe russa”.
A pandemia de gripe foi detectada pela primeira vez em São Petersburgo, Rússia, em 1890, e se espalhou rapidamente pela Europa. Em quatro meses, estava presente em todo o mundo. Estima-se que afetou 25 milhões de pessoas e causou um milhão de mortes. O contágio terminou nove anos depois, em 1899.
A pandemia teve várias ondas, e uma delas ocorreu em 1892. Naquele ano, o vírus da gripe se espalhou pela França e entrou no mosteiro das Carmelitas Descalças de Lisieux, onde vivia Teresa, então com 19 anos. Ela havia entrado no mosteiro quatro anos antes, em 9 de abril de 1888.
Todas as freiras carmelitas adoeceram, exceto Teresa e duas outras freiras jovens. Elas assumiram todo o trabalho do mosteiro e cuidaram dos que estavam na cama, atendendo a cada um em sua cela. A gripe logo causou a morte de quatro freiras, e Santa Teresinha teve que preparar seus funerais.
Santa Teresinha deixou um registro de tudo isso, e você pode ler em “História de uma Alma”. É como se ela tivesse preparado uma lição para nós que mais de um século depois nos encontramos em circunstâncias semelhantes. Aqui estão alguns parágrafos de seu testemunho:
“Um mês depois da partida da nossa santa Madre, começou uma epidemia de gripe na comunidade. Só eu e mais duas irmãs ficamos de pé. Naquela época, eu estava sozinha para cuidar da sacristia, a primeira encarregada estava gravemente doente. Eu devia preparar os enterros, abrir as grades do coro durante as missas, etc. Naquele momento, Deus me deu muitas graças de força; pergunto-me agora como pude fazer tudo o que fiz sem temor, a morte reinava em todo lugar, as mais doentes eram tratadas pelas que apenas conseguiam se arrastar. Logo que uma irmã soltava o último suspiro, éramos obrigadas a deixá-la sozinha. (…) Logo depois da morte, uma expressão de alegria e de paz espalhava-se em seus traços, parecia um sono repousante.
De fato o era, pois após o cenário deste mundo que passa acordarão para usufruir eternamente das delícias reservadas aos eleitos… Durante todo o tempo em que a comunidade foi provada dessa forma, pude ter a inefável consolação de comungar todos os dias… Ah! como era bom!… Jesus me mimou muito tempo, mais tempo que suas fiéis esposas, pois permitiu que me fosse dado sem as outras terem a felicidade de recebê-Lo”.
Fonte: Aleteia

Compartilhe: