Ir para o conteúdo

quarta-feira, 04 de agosto de 2021

Artigos

Revista Bote Fé agora tem formato 100% digital

Após 31 edições impressas, a Revista Bote Fé, uma colaboração da Edições CNBB e da Assessoria de Comunicação da entidade, agora tem em uma versão totalmente digital. Segundo o diretor geral e editorial da Edições CNBB, monsenhor Jamil Alves de Souza, trata-se de um projeto piloto que vai se aprimorar ao longo do tempo mas que mantém o mesmo espírito original da Bote Fé ao longo de sua experiência impressa: “ser um veículo de informação qualificada e aprofundada sobre temas importantes para a vida da Igreja no Brasil e, ao mesmo tempo, um canal para divulgar as publicações da editora”.
De acordo com a assessora de Comunicação da CNBB, Manuela Castro, o projeto da revista está em consonância com as mudanças do mundo digital e integra o Plano de Comunicação da CNBB, aprovado pelo Conselho Permanente em 2020, de fazer a transição da comunicação da entidade para o ambiente digital. “Hoje o uso do celular para acessar a internet cresceu no Brasil. Os aparelhos são o principal meio de acesso à rede no país, usados por quase todos os brasileiros”, disse.
Nesta nova fase, a Revista Bote Fé passará por uma transição do formato impresso para um formato 100% digital, a exemplo de outros formatos de revista eletrônica como o TAB Uol. A revista circulará bimensalmente trazendo conteúdos, artigos, resenhas e matérias aprofundadas sobre assuntos importante da vida da Igreja no Brasil.
Cada edição terá uma diagramação mais livre, a partir dos elementos visuais e de texto de cada edição, mantendo apenas uma identidade visual mais fixa em seus elementos como logo, cores, fontes, títulos e retrancas.
Quanto ao público-alvo, trata-se de uma revista voltada para responder ao interesse religioso, especificamente o segmento católico/cristão brasileiro, a exemplo de revistas que se organizam por outros campos de interesse como o automobilismo e culinária.
A edição pode ser acessada no link: www.materiais.edicoescnbb.com.br/revistabotefe. Fonte: CNBB

Compartilhe: