Ir para o conteúdo

sábado, 13 de maio de 2017

Artigos

República de bananas é lá em casa

Vivemos tempos em que a democracia das nações tem sido colocada à prova. Mas o que dizer da suposta democracia que haveria de existir dentro da minha própria casa? Desde que a pequena Lívia nasceu, muito têm mudado.  Nossa percepção (minha e de sua mãe) começou a mudar quando escutamos a babá mais famosa da televisão (“supernany”) alertando aos pais: “quem é que manda na casa de vocês?! – indagava-nos, retirando as vendas dos nossos olhos, mas nãoas algemas das nossas mãos. Era um alerta para reflexão dos pais, levando em conta uma educação com regras e princípios.
Desde aquela pergunta, não consigo dormir, não consigo comer, não consigo assistir meu canal de televisão favorito, não consigo mais percorrer as páginas das leituras obrigatórias da faculdade. Passei a viver como um recluso, um refugiado, um rebelde em uma república de bananas, um fugitivo de um regime totalitário! Exageros a parte, apenas para impressionar o leitor, vejamos uma lista com os dados que comprovam que a Lívia, no auge dos seus três anos de vida, definitivamente é quem manda nesta casa!
1) – não posso mais usar o banheiro do meu próprio quarto, ela disse que lá é o banheiro das meninas, e quando me aproximo corre na frente, e faz a justa guarda do seu patrimônio. 2) – não posso mais usar o banheiro da vó (somente para as avós), banheiro de visita (somente para as visita) e banheiro de funcionária (somente para funcionária e sua filha, que na verdade é a melhor amiga da Lívia, o que faz com que a defesa deste banheiro seja prioritária). 4) – o meu celular comprei para trabalho e prometi que não emprestaria para ninguém; quando, porém, ela exige o celular (começa a gritar e chorar), rapidamente tenho que entregá-lo em suas mãos. 5)- de uns dias para cá, ela decidiu almoçar sozinha na mesa da sala, para evitar a confusão na hora do almoço na mesa da cozinha – sua vontade deve ser plenamente respeitada. 6)- quando ela está mamando, não posso me aproximar, tampouco sentar ou deitar na mesma cama, que logo sou expulso. 7)- por falar em mamar, a mãe dela é exigida a dar o peito onde é que estiver, ou vai enfrentar birra e choro, são dois constrangimentos, melhor escolher dar o peito logo!  8)- kinder ovo, ou apenasovinho, como é conhecido por aqui, têm quase todo dia, pouco importa se estamos no meio da madrugada ou não – em tempos de crise, estamos pobres e a fabrica do kinder ovo, rica. 
E estes são apenas alguns exemplos para responder aquela pergunta sobremodo inquietante – quem manda aqui é a Lívia e ponto final! Enfim, me parece que temos sidos pais negligentes, mas se fossemos fazer uma lista das qualidades, da simpatia, da inteligência, da amabilidade, do carinho e do amor que recebemos dessa pequenina, não caberiam em mil jornais! A questão, porém, é sobre a democracia no lar. Em tempos de crises democráticas e nações inteiras divididas, estamos vivendo um regime totalitário dentro de casa. Possivelmente você já ouviu uma mãe falar que perdeu o próprio celular para um filho ou uma filha com menos de cinco anos de idade. E aí? Quem manda no seu lar?
 
 
Levon de Araújo Coutinho é barretense de coração, casado, pai de dois lindos filhos, estudante pelo seminário Martin Bucer.

Compartilhe: