Ir para o conteúdo

terça-feira, 16 de abril de 2024

Artigos

RECORDAÇÕES DE AGOSTO

Bom dia, Barretos!
Sempre, com a chegada de agosto, aflora em nossas mentes, a canção do nosso sempre poeta, Bezerrinha “vento gelado batendo em meu rosto, me diz que é agosto, florada do Ipê …” e com a canção as lembranças das festas do peão de antigamente. O entorno do recinto todo tomado pelos carros, e a Avenida 23 coalhadas de barracas, num movimento diuturno que envolvia toda a comunidade. Quem não se lembra das alvoradas, que não deixava ninguém dormir, aguardando a queima de fogos, marcando a abertura dos festejos. Afloram às nossas mentes as lembranças, dos desfiles típicos pelas ruas da cidade e a população aglomerada nas calçadas acompanhando o desfile. Lembranças dos desfiles cívicos que culminavam na Praça Francisco Barreto com a dispersão ocorrendo logo em seguida. Eram escolares, fanfarras, clubes de serviço, Tiro de guerra, e uma centena de participantes de Barretos e região, desfilando ante os olhares dos turistas, de pais, amigos e da comunidade em geral. Vem-nos à memória as noitadas promovidas pelas colônias, no palco da Praça Francisco Barreto, onde cada colônia trazia músicas e indumentárias de suas terras natais, inebriando a todos. A movimentação na Avenida 43 numa explosão popular que ninguém podia controlar, e passou a ser marca registrada e atração à parte, por onde passava todos que vinham à nossa festa. Digo nossa, porque mesmo sendo promovida pelos “Independentes” toda a cidade se envolvia, recebendo visitantes e participando dos folguedos que envolvia a todos nós. Casas eram alugadas e em suas portas, estudantes, visitantes e violeiros faziam uma festa a parte. Todos estavam envolvidos, vibravam com a festa e falavam com orgulho incomum de nossa festa maior. Com o passar do tempo, a festa cresceu muito, construiu seu próprio recinto, construiu um estádio em concreto, substituindo a arquibancada de madeira, que era montada a cada festa, e tudo se concentrou na área do Parque do Peão, deixando a cidade como que órfã, da alegria que contagiava a todos. Mas, chegamos a mais uma festa e a cidade engalanada recebe com alegria os nossos visitantes. Que Deus permita que tenhamos uma festa tranquila, onde se predomine a alegria e a confraternização e que ao terminar possamos fazer um balanço positivo e agradecer a Deus pelo sucesso.
Bom dia, Barretos.

Compartilhe: