Ir para o conteúdo

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Artigos

Queda de cabelo está entre principais queixas em consulta, afirma dermatologista do Iamspe

Estima-se que 50% dos homens acima de 50 anos apresentam algum grau de calvície.
 
A queixa de queda de cabelos (alopecia) está entre as dez mais frequentes nos consultórios dermatológicos do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe). A quantidade é variável, mas caem, em média, de 60 a 100 fios por dia. 
“Estima-se que 50% dos homens acima de 50 anos apresentem algum grau de calvície. Já para as mulheres, as estimativas de prevalência são muito variadas”, afirma a responsável pelo ambulatório de Alopecias do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), dra. Priscila Kakizaki. 
Se a lavagem dos cabelos não é diária, os fios soltos acumulam-se presos entre os demais. Na próxima lavagem, estes fios se desprendem, dando a sensação de que a queda está acima do normal, o que não é verdade. 
A dermatologista explica que a calvície (alopecia androgenética) é a causa mais comum de queda em ambos os sexos. Neste caso, existe a predisposição genética para a queda, mas o modo de herança não está bem definido, acredita-se que seja poligênica (vários genes). 
Outro fator importante é o hormonal. Sabe-se que nos homens é um processo mediado por androgênios (hormônio masculino). Nas mulheres, este fator hormonal é incerto. 
Ela acrescenta que, nos indivíduos predispostos à calvície, os fios vão se tornando mais fracos e finos a cada ciclo. Esta transformação gradual vai dando o aspecto rarefeito dos cabelos. Nas mulheres, a perda ocorre em todo o couro cabeludo, enquanto nos homens é mais frequente na região da coroa. 
Algumas situações agravam a queda, como ter anemia ou doenças tireoidianas, emagrecimento acentuado e uso de drogas, entre outros. Existem também muitos mitos que são atribuídos à queda, como dormir com os cabelos molhados, manter os cabelos presos, usar bonés e chapéus ou secador quente, que não são verdadeiros. 
A dra. Priscila esclarece que o tratamento pode ser tópico (loções e xampus) e/ou sistêmico (por via oral). Em casos avançados, pode se recorrer ao transplante de cabelos. 
“Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e iniciado o tratamento, maiores serão as chances de sucesso. Para isso, deve-se sempre procurar um especialista”, destaca.

Compartilhe: