Ir para o conteúdo

sábado, 20 de abril de 2024

Artigos

QUARESMA: Sempre uma oportunidade para obter salvação.

“Rotina” é sempre agir só de um jeito, mecanicamente, como máquinas programadas, robotizadas, cumprindo tudo o que está designado. Essa, se não é a melhor, é mais uma definição para aquelas pessoas que seguem o curso do “deixa a vida me levar”, sem perspectivas, sem projetos, indiferentes a tantos palpites provenientes de todos os lados. Não estão nem aí!

De fato, quanta gente não dá muito valor à própria vida, que é um dom, ignorando quantos relacionamentos aconteceram com seus antepassados paternos e maternos, para que chegasse ao seu nascimento. Qualquer um, desses relacionamentos dos ancestrais, não acontecesse, e você não teria nascido. Quem puder entender, entenda.

O fato inquestionável é que a vida é um dom, uma oportunidade raríssima que uma pessoa tem de fazer disso um meio infalível de obter uma felicidade plena daí em diante, para sempre, eternamente. O contrário também é verdadeiro: com más escolhas, as consequências nem um pouco agradáveis surgirão inapelavelmente.

A verdade é que nem todos têm a oportunidade de receberem uma boa formação para descobrir então o sentido da vida. Muitos são os motivos: pouca instrução no seio das famílias, ou pobreza generalizada em geral fruto de más políticas públicas, ou ensino sem qualidade, e tudo aquilo que sabemos da convivência social quando pessoas endemoninhadas agem sem escrúpulos causando prejuízos e infernizando esse convívio.

Com tantos obstáculos e dificuldades de sobrevivência nessa curtíssima passagem pela face da terra, é um verdadeiro achado quando uma pessoa decide abrir os olhos para a realidade vivencial, motivada por uma luz, de origem divina mesmo que ainda não tenha se atentado a isso. E é verdade, porque Deus sempre toma a iniciativa de procurar as pessoas, pois não é seu desejo que qualquer uma se perca eternamente.

Embora rejeitado por seus adversários, Deus veio pessoalmente ao encontro de toda a humanidade, mostrando o caminho da salvação, explicando as decisões que toda pessoa, que a quiser, precisa tomar. Apesar de todo esse amor demonstrado, Jesus, que é Deus, foi condenado à pena de morte. Por ser Deus, o túmulo não o prendeu: dele saiu, vivíssimo, e é essa vitória sobre a morte que vamos celebrar na festa da Páscoa.

A Quaresma, dias que antecedem a essa festa, se torna um momento imperdível, para aqueles que – ao descobrirem a escravidão da rotina em que estão presos – dela se libertem. Com uma séria reflexão a respeito nesses quarenta dias, auxiliados pela Igreja, poderão mudar a própria mentalidade e decidir pela prática dos ensinamentos divinos do nosso Salvador.

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: