Ir para o conteúdo

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Artigos

Quaresma

Bom dia, Barretos!
Estamos em plena quaresma, época propicia para fazermos uma análise profunda, de como estamos conduzindo nossas vidas, em nossa caminhada terrena. Será que estamos sendo fraternos, cordatos, com os nossos semelhantes ou estamos pensando só em nós? Momento de perdoarmos quem por qualquer motivo nos ofendeu ou assim interpretamos, de aparar rusgas, de estender as mãos, numa reconciliação pregada por Cristo. Algumas religiões pregam o jejum durante a quaresma, outras em grupos religiosos pregam o retiro espiritual, se reúnem em oração, outras pregam a abstenção de carne e seus derivados durante a quaresma. Creio que com isso, querem levar as pessoas a meditarem sobre a vida e as atitudes que estão tomando. Vivemos numa sociedade capitalista, consumista e infelizmente muito individualista, onde a sede de ter cada vez mais faz as pessoas perderem o limite, e o ter passa a ser muito mais importante que o ser. A sociedade está ávida de exibicionismo, com as pessoas divulgando nas redes sociais, até os fatos que ocorrem na intimidade. A necessidade de aparecer, de se sentir importante acaba por ir minando nossa simplicidade, se perde a humildade, e o centro do universo passa a sermos nós. Caminho para a derrocada que virá mais cedo ou mais tarde.
A humildade e a fraternidade andam juntas e o bem que fizermos a alguém, sem divulgação, sem buscar aplausos acaba gerando um bem-estar em nossas almas, e o universo se encarrega de nos retribuir com facilidades que não esperávamos. Mas nada que fazemos para aparecer aos olhos de nossos semelhantes tem qualquer valor perante Deus.
É hora de lermos um pouco mais o evangelho e meditar sobre a caminhada terrena de Cristo, os exemplos que nos deixou as diretrizes de vida que pregou, e aproveitar a quaresma para redirecionarmos nossas vidas, e se não pudermos mudar o mundo, pelo menos vamos ser exemplo no nosso círculo de vida.
A quaresma se situa entre os folguedos desregrados do carnaval e a crucificação de um Deus, que se permitiu ser crucificado na cruz para com o sacrifício de sua vida reabrir as portas do céu para a humanidade que pelo pecado original o havia perdido. Temos ainda tempo para pensarmos, e se necessário corrigirmos nosso caminho. Aproveitemos o tempo da quaresma, tempo propicio para meditação e se necessário vamos reavaliar nossa conduta.
Bom dia, Barretos.

Compartilhe: