Ir para o conteúdo

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Artigos

Qual é o destino dos adversários de Jesus Cristo

No Antigo Testamento são muitas as passagens em seus diversos livros que se referem direta ou indiretamente ao Ungido de Deus que um dia iria surgir aqui na Terra para resgatar a humanidade perdida e implantar um reino onde, obrigatoriamente, haveria Paz em plenitude, em todos os sentidos.

“Ungido” – que significa receber uma unção com um óleo consagrado, e isso acontecia com alguns reis e sacerdotes, ou mesmo outras autoridades, eleitos e ao tomar posse de seus cargos – em grego é “cristo”. Mas esse termo ganhou um significado especial no reinado de Davi, em Israel, quando lhe foi prometido que de sua descendência surgiria um “ungido especial, diferenciado dos demais” – com o termo “Messias”. E essa era messiânica durou mil anos, quando esse messias chegou: Jesus de Nazaré. Desde seus contemporâneos e até os nossos dias nem todos acreditaram nele.

O cristianismo já tem dois mil anos. Ele veio e implantou aquele reino prometido nas Escrituras veterotestamentárias. Um reino que se iniciou com a escolha que fez de um pequeno grupo de homens e mulheres simples, do povo comum, trabalhadores braçais que foi arregimentando conforme seus objetivos de acordo com a missão que recebera do Pai. E nesses dois mil anos sua Palavra, seus ensinamentos, seu Evangelho, se espalharam por todos os povos, mesmo naquelas nações onde ditadores e tiranos as cercaram e armaram barricadas para evitá-los.

E se o planeta, nos dias atuais, abriga um pouco mais de oito bilhões de seres humanos, só um pouco mais de dois bilhões se dizem cristãos, seguidores de Jesus, o Cristo, o Messias, o Ungido por Deus. Ou seja, mais de cinco bilhões de pessoas o desconsideram, quando não o rejeitam compulsivamente.

De fato, não há como reconhecer que Jesus tem bilhões de adversários, verdadeiros inimigos, que são todas as pessoas que ridicularizam os seus mandamentos e, sem quaisquer escrúpulos, por serem autênticas pessoas endemoninhadas, às vezes parecendo ovelhas exteriormente, mas impiedosos lobos vorazes em seu interior, promovem toda sorte de maldades, na ânsia e ganância de se darem bem numa vida recheada de prazeres mundanos, condenando tantos inocentes a uma vida de miséria e indignidade.

O que vai acontecer com todos estes inimigos? – Jesus de Nazaré, que é um Homem-Deus, apesar de tudo o que aqui sofreu, hoje se encontra vitorioso, pois é o Rei do Universo no glorioso trono divino, onde chegou exaltado pelo Pai, que lhe assegurou: “Senta-te à minha direita, até que eu ponha teus inimigos como escabelo de teus pés” (Salmo 110, 1).

“Escabelo” é um estrado que serve para se apoiar os pés, e o seu uso, por reis na antiguidade, significava as suas vitórias sobre seus inimigos, então subjugados e sob seus domínios. É isso o que lhes vai acontecer.

 

Por: Diácono Lombardi

 

Compartilhe: