Ir para o conteúdo

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Artigos

Principais tendências para o mercado de trabalho

Em 2023, vimos surgir um novo movimento no mercado de trabalho, a utilização e desenvolvimento da Inteligência Artificial (IA) generativa. O rápido avanço dessa nova tecnologia já impactou muitas atividades, além de ter trazido preocupações com questões de responsabilidade em seu uso e aplicação no cotidiano de muitos profissionais. Entender tendências como essa permite que candidatos e recrutadores estejam um passo à frente e possam antecipar cenários para se preparar para possíveis obstáculos.
Quando se fala em futuro do trabalho, ainda há muito o que aprender, principalmente em um cenário com a ascensão da IA. Em um relatório recente do Hiring Lab do Indeed, conduzido pelo economista Nick Bunker, uma das principais tendências do mercado de trabalho para 2024 é que ferramentas de IA generativa devem se espalhar rapidamente pela economia e impulsionar a produtividade no trabalho.
Nesse cenário de mudança tecnológica, se especializar e aprender novas habilidades será importante. Quem estiver buscando emprego precisa pensar em como as funções relacionadas à IA ou o seu uso podem se encaixar nos próprios planos de carreira e no cenário econômico como um todo. Além disso, os candidatos precisarão ser flexíveis e saber se adaptar ao uso de novas tecnologias em um mercado de trabalho que será extremamente competitivo.
Apesar de ter potencial para executar algumas funções, é pouco provável que a IA generativa substitua o ser humano no trabalho, como mostra outro relatório do Indeed, já que as habilidades comportamentais permanecerão insubstituíveis.
Já para os empregadores, além da adoção e uso responsável de novas tecnologias, os especialistas ressaltam que a retenção de talentos continuará sendo um ponto de atenção no próximo ano. Encontrar talentos tem sido uma tarefa difícil em muitos setores e, para diminuir esse problema, empregadores devem focar a retenção de talentos. Empresas que desejam reter seus colaboradores devem investir em educação e aprimoramento das habilidades dos funcionários (o que chamamos de “upskilling”), além de garantir uma remuneração competitiva e condizente com o mercado, é claro.
Mas, em um mercado de trabalho restrito, não são apenas os salários competitivos que atraem e retêm candidatos. As empresas devem oferecer benefícios que vão além dos essenciais e impactam diretamente a qualidade de vida, como modelos de trabalho mais flexíveis e medidas em prol do bem-estar e saúde mental.
Em suma, tanto profissionais quanto empresas deverão se atualizar e se adaptar às mudanças. A IA continuará a impactar o mercado e pode proporcionar ganhos econômicos e de produtividade. Mas adotá-la de forma responsável exigirá cuidado, consideração e uma avaliação clara por parte das empresas, que, por sua vez, devem focar os seus colaboradores, proporcionando um ambiente de trabalho mais atrativo.

Felipe Calbucci é
diretor de Vendas
do Indeed no Brasil

Compartilhe: