quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Artigos

Precisamos falar sobre saúde mental (de verdade e agora)

Médica que atua no Hospital São Jorge fala sobre como o autoconhecimento e hábitos de vida saudáveis podem ajudar pessoas que vivem com males como a ansiedade e a depressão

Recentemente, as redes sociais e meios de comunicação parecem ter despertado para a importância da saúde mental, tornando percepções sobre a importância da autoaceitação, da terapia e da meditação, entre outras práticas, assuntos recorrentes. Mas, e agora, em tempos de pandemia, será que os desafios são outros?
Para falar sobre o assunto, convidamos a médica Dra. Raquel Aparecida Reis Teixeira, que atua no Hospital São Jorge. Confira a seguir:
1– Uma situação como a que estamos vivendo, de pandemia e isolamento social é capaz de desencadear questões mentais e psicológicas que antes não tínhamos vivenciado?
Sim. O fato de estar em casa em tempo integral pode mexer com nosso psicológico. Quando a pessoa é forçada a ficar em casa pode desenvolver um quadro de ansiedade generalizada, que talvez evolua para depressão. As consequências desse isolamento, se não forem cuidadas, podem ser catastróficas.
2- Existe um limite saudável para se informar sobre a situação do mundo, do Brasil e até mesmo da sua comunidade? A informação é uma ferramenta para estarmos mais seguros ou um gatilho para o medo, insegurança e outros sentimentos do tipo?
A todo momento surge um novo dado sobre o CORONAVIRUS, o que leva os noticiários a lotarem sua programação de reportagens, e, apesar de ser importante procurar conhecimento, o fluxo constante de notícias gera preocupação e estresse. Se você sentiu que essas informações estão lhe deixando mais ansioso, tente se informar em momentos específicos ou se coloque um limite, por exemplo, duas vezes ao longo do dia. Agora se você estiver enfrentando ansiedade ou depressão, priorize sua saúde mental e suas necessidades emocionais e mentalize coisas positivas também.
3- Em redes sociais e em depoimentos pessoais de profissionais de saúde, temos ouvido relatos sobre pacientes que têm espasmos, taquicardia, falta de ar, dor no peito e outros sintomas similares a um infarto e ao serem examinados, fisicamente não têm nada e são diagnosticados como tendo uma crise de ansiedade. Isso é comum? Existe alguma forma de evitar?
Sim, isso é muito comum. O Transtorno de Ansiedade Generalizada é caracterizado ansiedade excessiva e preocupação exagerada com eventos da vida cotidiana sem motivos óbvios. Ele afeta a forma que a pessoa pensa, mas a ansiedade também pode levar a sintomas físicos e quando a pessoa encontra dificuldade para controlar o medo, durante vários dias. Não existe fórmula mágica para prevenir a ansiedade generalizada, mas é possível ter uma vida mais saudável que ajudará a manter a ansiedade longe como manter em seus hábitos diários: exercícios físicos, alimentação regrada e dormir bem (pelo menos 7 horas a por noite).
4- Quem já tem uma rotina de saúde mental acaba lidando melhor com momentos como o que vivemos hoje? Qual é a importância de cuidar da saúde mental mesmo em momentos em que “está tudo bem”?
Sim. O primeiro passo para cuidar da saúde mental é desenvolver autoconhecimento, só assim é possível mudar comportamentos que não estão fazendo bem para você. Existem algumas maneiras de desenvolver o autoconhecimento, como:
– Saber identificar suas qualidades e defeitos;
– Não exigir demais de você mesmo;
– Ter consigo mesmo atitudes de compreensão e amor;
– Praticar meditação
5 – Quando uma pessoa deve buscar um psiquiatra? Em caso de crises, existe a necessidade de ir até o hospital ou é possível se equilibrar em casa?
Em muitos casos as doenças mentais são confundidas com cansaço ou apenas insatisfação. Por isso que as pessoas acreditam que precisam apenas de tempo de férias e logo tudo voltará ao normal. As doenças mentais, assim como as físicas precisam de remédios e acompanhamento médico para serem curadas e, o primeiro passo é saber identificar e buscar tratamento. Separei seis sinais de alerta que indicam a necessidade de procurar um psiquiatra.
1- Grande mudança de humor- oscilação do humor que não parece depender de condições externas que chegam a vão sem maiores explicações.
2- Dores constantes/inexplicáveis pelo corpo.
3- Mudança de apetite- quando há alterações dos hábitos alimentares. A ansiedade pode levar a compulsão alimentar, enquanto problemas com autoestima podem provocar anorexia
4- Distúrbios do sono – algumas pessoa sentem dificuldade para iniciar a dormir, outras acordam muito a noite.
5- Vontade de se ferir- a falta de autoestima e de alegria pode evoluir para vontade de se prejudicar, com agressões ao próprio corpo e também o uso de substancias prejudiciais.
6- Alterações cognitivas- dificuldade de memorizar novos dados, diminuição da capacidade de concentração.
Em caso de crise a primeira coisa a se fazer é garantir sua segurança. Se estiver dirigindo estacione chame o táxi ou alguém de confiança. O ataque de pânico pode alterar sua percepção de tempo e espaço. Tente inspirar e expirar lentamente diminuindo ritmo de respiração. Entre em contato com seu médico ou chame serviço de emergência. Os especialistas vão solicitar exames para descartar outras doenças que podem ter sintomas semelhantes ao do pânico.
A boa notícia é que o ataque costuma durar alguns segundos ou minutos e dificilmente se prolonga por horas. Após ter saído da crise o ideal é procurar o especialista para que não se repita e inicie imediatamente com medicações e terapias.
6 – Qual a diferença entre uma crise de ansiedade e uma crise de pânico?
A diferença entre ansiedade e síndrome do pânico está na intensidade dos sintomas e na imprevisibilidade de sua ocorrência. Enquanto a ansiedade tem causas mais lógicas e concretas como um desafio a ser enfrentado ou uma situação delicada que está para ocorrer, a crise de pânico não tem horane nem motivo pra começar.
7 – Além do acompanhamento médico, existem outros hábitos ou atitudes que podem ajudar?
Respiração profunda. A respiração faz toda diferença na nossa vida por isso quando sentir uma crise de ansiedade vai aparecer pare tudo e respire profundamente.
Ouvir música
Parar de comparar sua vida com a dos outros
Praticar exercícios
físicos
Pensar positivamente
8- Existe mais alguma informação que gostaria de acrescentar?
Quando as notícias são desoladoras e sombrias, até mesmo os mais otimistas sentem dificuldade em permanecer com uma atitude positiva. É verdade que precisamos levar esse vírus a sério, ele é capaz de causar doenças graves, mortes e mudanças drásticas de longo prazo na maneira que vivemos e trabalhamos. Pode ser até que prejudique a economia. Em épocas assim, é fácil manter o foco apenas nessas calamidades, pois elas parecem ser os únicos tópicos abordados pelas notícias e conversas informais.
Mas, esses pensamentos são contraproducentes. Obviamente há coisas que você precisa saber sobre o surto do coronavirus para proteger a si as pessoas ao seu redor, mas não é necessário se tornar um especialista em Covid-19, na verdade você nem precisa ouvir todos os detalhes desagradáveis do amanhecer até a hora de dormir. Em vez disso concentre-se no lado positivo para que você tenha a energia e determinação necessária para enfrentar esta tempestade. Manter a saúde mental em dia vai ter impactos positivos não só na sua vida pessoal como também na carreira durante esses tempos incertos.
Acreditar que tudo dará certo é a chave para vencer os desafios da vida.

 

Compartilhe: