Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

“Por que estais aí a olhar para o céu?” (At 1,11)

Depois de sua ressurreição, Jesus apareceu aos discípulos durante quarenta dias. Então, “elevou-se à vista deles” (At 1,9). A esse acontecimento damos o nome de “Ascensão do Senhor”. Ressuscitado, elevando-se aos céus e voltando para a casa do Pai, Jesus provou a sua divindade, depois de ter cumprido sua missão entre nós.
Ele subiu aos céus também com o seu corpo humano, agora glorioso, antecipando o que Deus deseja que aconteça conosco. Afinal, não temos aqui morada permanente (cf. Hb 13,14), mas estamos a caminho da Jerusalém celeste, onde, com todos os anjos e santos, glorificaremos eternamente a Santíssima Trindade.
A solenidade da Ascensão do Senhor não é um fato isolado, mas um momento de um mistério que está no centro de nossa fé: a Páscoa de Jesus. Dessa Páscoa fazem parte a sua Paixão (abraçando a cruz e nela morrendo, Jesus nos ensinou como é grande o seu amor por nós), sua Ressurreição (Ele venceu o pecado e a morte), sua Ascensão (o Pai recebeu o Filho, tornou suas chagas gloriosas e o fez sentar-se à sua direita) e Pentecostes (quando o Espírito Santo nos foi dado como força e luz).
Na solenidade da Ascensão, somos convidados a colocar em prática três verbos: Testemunhar, Ir e Anunciar.
Testemunhar: Ao partir, Jesus nos mandou batizar os que aceitassem suas propostas. Somos suas testemunhas, isto é, pessoas que não aceitam ficar paradas, “olhando para o céu” (At 1,10), mas que ensinam a amar como Jesus amou e perdoar sem limites.
Ir: É necessário partir – ou, como o papa Francisco gosta de dizer: “ser uma Igreja em saída”. Como ficar indiferentes quando inúmeras pessoas nunca ouviram a Boa Nova de Jesus? Nosso olhar deve se voltar para a própria família, para a rua em que vivemos, para o local onde trabalhamos. Em nossas comunidades há muitos necessitados da Boa Nova.
Anunciar: Somos chamados a apresentar Jesus de Nazaré. É essencial, pois, conhecê-lo, ter intimidade com ele e segui-lo. Que privilégio ter sido escolhido por Ele para ser do grupo de seus amigos!

 

 

(Por: Dom Murilo S. R. Krieger,SCJ – Arcebispo emérito de Salvador-BA)

Compartilhe: