quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Artigos

Pesquisas eleitorais em Barretos: incredibilidade e a falta de escrúpulo crônico

Vem eleição passa eleição e nossa cidade é vítima de pesquisas eleitorais cada vez mais inconfiáveis. Chega a impressionar a ousadia de se estar usando essa ferramenta eleitoral que é capaz de manejar a opinião pública e induzir maliciosamente (para não dizer malandramente) o cidadão desorientado para a escolha de um candidato preferível ou meritório.
O mais interessante é que a parte altamente interessada no resultado eleitoral tem o despudor de usar desse tipo de manipulação, sem o menor escrúpulo, o que deveria existir em respeito à fé pública e à verdadeira democracia.
Há um bastidor recheado de aproveitadores dos políticos que, eleitos, estarão à disposição dos vícios crônicos e oportunismos já sobejamente conhecidos. Interessante que são figuras de altíssima rejeição comunitária, e em constante minoria, e de olho na “oportunidade” e no oportunismo.
Se na alta esfera nacional, a desmoralização dessa ferramenta já expurgou grandes empresas de pesquisa, aqui em Barretos tem-se tradição de continuarem decidindo eleições, como no passado.
Quando se diz da falta de escrúpulo, baseia-se numa decisão judicial atual julgando-a por conta de manobras fajutas no procedimento. Em todos os pleitos existe um histórico de manipulações tornando-se já uma vergonha em nosso meio.
O pensamento da massa eleitoral, com a cultura de não “gostar de perder uma eleição”, fica à espreita de aproveitadores que se escondem como se não pudessem ser descobertos. E o pior: nossos fiscais do processo vicioso (e viciado), lamentavelmente postam-se de forma a precisarem ser acionados ou provocados para se tomar uma atitude que, de regra, mereceria ser incondicionada. Isto é, não necessariamente haver uma denúncia formal para se coibir algo criminoso.
E o problema aí está: é conhecido, antigo, repugnante e nocivo ao avanço da democracia que pressupõe o direito calcado nas maiorias. Mas, maiorias livres de manipulação e procedimentos claramente desonestos e que se repetem ano a ano e pelos mesmos caminhos.
E como é fácil um procedimento de manipulação de dados. Um, dois ou três “pilotos” recebem as planilhas e “cuidam” dos dados levantados, contabilizando-os ao bel prazer e interesse na indução das opiniões e dos votos. Sem contar o conteúdo, a forma e a apresentação destas famosas planilhas.
Em verdade nossa grande população anda cada vez mais esperta diante de tais manobras. Mas, ainda é fortemente susceptível de ser ludibriada. O que é preciso: estarem cientes de que muita gente já anda de olho nesse falacioso comportamento.
O comentário geral é que ficou mal “casado” o adiamento de um debate de candidatos que é essencial ao interesse da população e ao processo democrático, com a publicação de uma pesquisa repleta de vícios sérios que até pareceria uma coincidência. Mas, que certamente não é.
É urgente também que os responsáveis pelo controle do processo eleitoral ajustem severamente as ferramentas de vigilância. Lógico: contando com que apliquem a devidas e corretas medidas de comprometimento com a proteção da democracia e combate às manobras falaciosas em decisões tão importantes para a Sociedade como um todo.
É o que se espera….

Dr Fauze Jose Daher
Médico – ex Vereador – Advogado

Compartilhe: