Ir para o conteúdo

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Artigos

Pela abolição da tortura

Intenção do Papa para Junho: Rezar para que a comunidade internacional se empenhe concretamente na abolição da tortura, garantindo apoio às vítimas e aos seus familiares.
Até parece brincadeira falar de tortura em pleno século 21, mas é uma triste realidade que ainda acontece nos dias de hoje, sobretudo nos países com regimes ditatoriais e absolutistas.
Uma ONG – Programa Venezuelano de Educação-Ação em Direitos Humanos – fez um levantamento em que se apurou que os casos de tortura na Venezuela, sob as mais variadas formas, aumentaram 148% em 2021. “O aumento das técnicas de abuso baseadas na humilhação e redução física e psicológica das vítimas, mediante agressões sexuais, gera especial preocupação”, afirmou a organização.
Na Nicarágua também há relatos de casos de tortura. São 150 casos desde 2019, sob o regime sandinista. Os mais recentes são contra a nossa Igreja, onde Bispos, padres e religiosas são perseguidos, presos e torturados. É provável que em outros países haja também situações assim, o que muito entristece o Coração de Jesus.
Não podemos ter a ingenuidade de achar que essas torturas são apenas algo longe de nós e em outros cantos. Provavelmente em nosso Brasil também há casos de tortura, sobretudo nas situações de sequestro e prisão domiciliar. Torturas das mais variadas formas ocorrem e, muitas vezes, nem sequer ouvimos dizer.
Já que a oração é capaz de mover montanhas, unamos nossas preces neste mês para atingir o coração das pessoas que fazem, promovem e apoiam as torturas e também os regimes ditatoriais que se impõem através da força e das torturas.
Jesus é solidário com todos os torturados, pois também Ele sofreu extrema tortura desde o Horto das Oliveiras, passando pela flagelação até a cruz no calvário. Venceu tudo e nos libertou, para vivermos sem nenhum tipo de jugo ou opressão.
Que esta prece chegue ao Coração de Jesus transpassado e que Ele toque nos corações mais endurecidos e console os torturados.

 

 

(Por: Pe. Lucas Reis Pereira, Pároco da Basílica de S. Lourenço Mártir – MG)

Compartilhe: