Ir para o conteúdo

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Artigos

Os inimigos da Teoria da Evolução

Foi publicado um interessante estudo que mostra que não é a religião que é contra a Teoria da Evolução. O estudo “Acceptance of evolution by high school students: Is religion the key factor?” foi liderado pela pesquisadora Graciela da Silva Oliveira e publicado no Plus One de setembro.
A pesquisa foi realizada por cientistas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), no Brasil, e da Universidade de Trento, na Itália e procurou avaliar a influência na compreensão e aceitação da Teoria da Evolução por alunos do ensino médio, de 14 a 16 anos, brasileiros e italianos, de diversos fatores sociais e culturais como religião, nacionalidade, percepções de ciência e renda familiar. O estudo envolveu 5.500 estudantes.
Os cientistas avaliaram as respostas às afirmações: 1) A formação do nosso planeta ocorreu há cerca de 4,5 bilhões de anos; 2) Fósseis são evidências de seres vivos que viveram no passado; 3) As espécies atuais de animais e plantas originaram-se de outras espécies do passado; 4) A evolução ocorre tanto em plantas quanto em animais; 5) Os humanos são descendentes de outras espécies de primatas; 6) A espécie humana habitou o planeta Terra nos últimos 100.000 anos; 7) Diferentes organismos podem ter um ancestral comum; e 8) Os primeiros humanos foram presas de dinossauros carnívoros.
Entre os brasileiros, 12% dos estudantes declararam não seguir nenhuma religião, 56% de católicos, 21% pentecostais, 10% evangélicos missionários (6% de batistas e 2% de adventistas do sétimo dia. O número de cristãos ortodoxos, luteranos e anglicanos totalizou menos de 1%.
Entre os italianos, 67% dos alunos eram católicos e 22% não seguem nenhuma religião ou filosofia transcendentem 3% eram outros cristãos e 3,5% de outras religiões. Portanto, o número total de católicos em nossa amostra dos dois países foi muito alto, chegando a mais de 3.000 casos válidos.
Entre os católicos romanos, “humanos descendem de outras espécies” teve alta aceitação (84,7%) e baixa rejeição (5,9%) entre os italianos, enquanto no Brasil, a aceitação foi de 48,5% e rejeição de 21,5%, mais próximos das outras denominações cristãs.
A compreensão do tempo geológico também foi muito diferente entre católicos italianos e brasileiros, que é pior e no mesmo nível das denominações cristãs no Brasil. Os católicos italianos tiveram maior aceitação e maior compreensão da evolução do que os brasileiros. Outras pesquisas já haviam mostrado que universitários brasileiros católicos e evangélicos tinham baixos níveis de conhecimento sobre a evolução. Em outras palavras, precisamos de melhores professores de Ciência na escola pública e particular.
Não custa lembrar que a (1) Igreja Católica não é criacionista e permite aceitar a Teoria da Evolução desde 1950 quando o Papa Pio XII escreveu a Encíclica Humani Generis, para combater as falsas ideias que ameaçavam a Igreja; (2) o Evolucionismo só ganhou força quando foram descobertos os estudos com as ervilhas do frade Gregory Mendel; (3) a Teoria do Big Bang foi formulada por um padre católico e ganhador de um Nobel, Georges Lemaitre.

 

 

Mario Eugenio Saturno é
Tecnologista Sênior do
Instituto Nacional de
Pesquisas Espaciais (INPE)
e congregado mariano.

Compartilhe: