sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Artigos

O verdadeiro amor de Deus

Ao refletir sobre a essência do Amor fundamentado pela Carta Encíclica “Deus Caritas est”, do Papa Emérito Bento XVI, que realmente representa uma grande preciosidade para os dias atuais, será possível perceber que a questão do Amor está amparada sob diversas realidades. Porém, o seu fundamento, o seu alicerce, a sua fonte é necessariamente o Amor conhecido como o Amor Ágape: amor de Deus, amor incondicional, amor que respeita, espera e não condena. Enfim, um amor que simplesmente ama pelo fato de considerar o todo, ou seja, a dignidade e o valor que cada ser humano em si possui em suas diversas características.
Compreendemos assim que nós, seres humanos, somos capazes de amar. Porém, em uma realidade social que nos apresenta cada vez mais valores finitos, traições, trocas, interesses próprios, é possível que nos esqueçamos da realidade do verdadeiro amor, ou até mesmo nem cheguemos a conhecê-lo. Talvez até falemos dele, recomendamos aos nossos grupos mas, na prática, perceberemos que ele não é vivido através dos frutos que se manifestará cedo ou tarde.
Na Palavra de Deus encontramos: “Se alguém disser: Amo a Deus, mas odeia o seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê (Cf. 1 Jo 4, 20-21)”. Assim, compreendemos que o amor vem de Deus, é graça de Deus, e este amor verdadeiro brota da capacidade que temos de encontrar Nele este amor e, como consequência, amar os nossos irmãos.
De fato, o amor verdadeiro nos gera vida, nos renova, nos faz felizes e realizados, e a falta dele nos gera a morte, o ódio, a insatisfação, a revolta, o sofrimento e a solidão, a ponto de notarmos quantas pessoas amargas vivem a nossa volta justamente por não conseguirem amar, ou por nunca terem experimentado o verdadeiro amor.
Portanto, façamos a experiência de buscarmos o amor de Deus e como consequência amar a todos que Deus colocar em nosso caminho. Sabemos que não é possível amar a todos de modo geral, pois somos limitados, porém é possível amar com intensidade aqueles que Deus colocou à nossa volta: nossas famílias, amigos, pessoas mais próximas de nós.
Que Maria, modelo de amor e entrega nos ajude e interceda por nós nesta missão, que se vivida produzirá em nós muitos frutos bons!

Daniel Canevarollo
Seminarista

Compartilhe: