Ir para o conteúdo

quarta-feira, 24 de abril de 2024

Artigos

O Templo que ultrapassa todos os templos é Jesus

A cena que o texto evangélico nos apresenta neste terceiro domingo da Quaresma é uma cena que contrasta com os gestos de Jesus, que se declarava “manso e humilde de coração”. Ele, ao entrar no templo em Jerusalém, fica indignado com o fato do que ele havia sido transformado, mais num balcão de negócios do que no lugar do encontro do povo com Deus.

As palavras e os gestos de Jesus causam espanto e indignação nas autoridades religiosas e nos mais piedosos que viviam à sombra do Templo. A indignação foi tão grande que este foi um dos motivos que o acusaram e o levaram à morte; pois para os judeus uma palavra sacrílega contra o templo era considerada uma ofensa grave, digna de morte.

No evangelho de João a purificação do Templo ocorre já no início do ministério de Jesus. Juntamente com o milagre de Caná da Galileia, João considera a purificação do Templo como a declaração da parte de Jesus de que os ritos judaicos com a sua chegada estavam abolidos. Ele, Jesus, é o verdadeiro Templo. Ele é Aquele que faz jorrar vida e alegria, ao contrário das tradições dos judeus, quando transforma água, das talhas utilizadas para a purificação dos judeus, em vinho da melhor qualidade.

Ao anunciar a destruição do templo e a construção de um novo Templo em apenas três dias, Jesus refere-se, como nos diz o evangelista, ao Templo do seu corpo.

O gesto de Jesus demonstra que, a partir da sua chegada, há um Templo cujo valor ultrapassa todos os templos do mundo. Este templo é o nosso coração. Jesus quer por sua vez purificar o templo do nosso coração para que ele se torne de fato uma digna morada para Deus.

O próprio Jesus diz que é de “dentro do coração dos homens que saem as intenções malignas: prostituições, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, malícia, devassidão, inveja, difamação, arrogância, insensatez” (cf. Mc 7, 21-23).

Ao escrever para os coríntios, São Paulo dirá: “Ou ignorais que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo que mora em vós e que vos é dado por Deus? E, portanto, ignorais também que vós não pertenceis a vós mesmos? De fato, fostes comprados, e por preço muito alto. Então, glorificai a Deus com o vosso corpo” (1Cor 6,19-20).

Fazendo eco ao tema da Campanha da Fraternidade: “Fraternidade e Amizade Social”, a Igreja do Brasil nos convida a abri-nos à ação do Espírito Santo, para que possamos viver como irmãos e irmãs, superando toda discórdia e inimizades, e construindo um mundo de justiça e de paz.

Por: Dom Milton Kenan Jr

Compartilhe: