Ir para o conteúdo

domingo, 22 de maio de 2022

Artigos

O sentido do Natal

O Natal está chegando. Mais um ano que podemos celebrar com alegria o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, que há 2021 anos nos ilumina com a sua presença salvífica, dando a cada um de nós um sentido de vida de amor e paz. Mais do que uma mensagem, Jesus Cristo é uma presença, que está conosco, promessa feita e cumprida, há vinte e um séculos. Cada época com suas peculiaridades próprias e desafios, em todas as partes do mundo, os cristãos celebram o dom da vida, especialmente de quem dividiu a História, em antes e depois, de que é a nossa garantia de salvação. O Natal é, portanto, momento especial de reconciliação e confraternização, de oração e solidariedade, de renovar nossa esperança e afirmar nossos valores de fé e caridade para com o próximo.
Em sua mensagem de Natal, o papa Francisco destaca a necessidade de fraternidade, “mais necessária do que nunca”, para que tenhamos compaixão para os mais necessitados, e que precisam de gestos concretos de solidariedade, destacando: “Não uma fraternidade feita de ideais abstratos mas baseada no amor real, capaz de compadecer-me dos sofrimentos alheios, mesmo que o outro não seja da minha família, da minha etnia, da minha religião”. Também lembrou em sua mensagem as “pessoas mais frágeis, os doentes e quantos neste tempo se encontram desempregados ou em graves dificuldades pelas consequências econômicas da pandemia, bem como as mulheres que nestes meses de confinamento sofreram violências domésticas”, dirigindo-se também dirigiu a sua mensagem “a todas as pessoas que não se deixam subjugar pelas circunstâncias adversas, mas esforçam-se por levar esperança, consolação e ajuda, socorrendo quem sofre e acompanhando quem está sozinho.” Daí o sentido do Natal como festa de reconciliação, de encontro, de perdão, de partilha, de confraternização. No Angelus do domingo antes do Natal, o papa ainda ressaltou que “levar a alegria de Jesus é o primeiro ato de caridade que podemos fazer ao próximo”. E acrescentou: “Aprendamos de Nossa Senhora esta maneira de reagir: levantar-se, especialmente quando as dificuldades ameaçam nos esmagar. Levantar-se, para não ficar atolado nos problemas, afundando na autopiedade e caindo numa tristeza que nos paralisa. Olhemos ao nosso redor e procuremos alguém a quem possamos ajudar! Conheço algum idoso a quem possa fazer um pouco de companhia, um serviço, uma gentileza, um telefonema? Cada um pense nisso”, disse Francisco”.
O Natal é a festa do amor e da paz, e nos convida a afirmar o amor à vida, em gestos concretos de solidariedade, em família e na sociedade. Tenhamos a confiança em Deus, que nos dá força para superar todos os desafios e nos motiva ir ao encontro do próximo, para expressar o nosso amor efetivo, de perdão e reconciliação, também de gratidão por tudo o que recebemos ao longo do ano. Saibamos, portanto, viver o Natal com seu verdadeiro sentido, a partir do exemplo de Jesus, empenharmos em viver melhor seu principal mandamento, pois só assim alcançaremos a verdadeira felicidade. Feliz Natal para todos!

 

Valmor Bolan é Doutor em Sociologia.
Professor da Unisa. Ex-reitor e Dirigente
(hoje membro honorário) do Conselho de
Reitores das Universidades Brasileiras.

Compartilhe: