Ir para o conteúdo

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Artigos

O Rei do Gado

Caros leitores,
Sucesso em 1996, sucesso em 2023! Termina na próxima sexta, dia 2 de junho, a telenovela da TV Globo, ‘O Rei do Gado’, escrita por Benedito Ruy Barbosa, com direção de Luiz Fernando Carvalho e sua equipe, e um elenco de primeira linha, exibida em ‘Vale a pena ver de novo’. O folhetim traz muita emoção, realidade e saudosismo, pois às vezes chego às lágrimas, na lembrança de meus avós, principalmente, quando os personagens proferem as palavras em italiano, como: caspita, eco, maledetto, é vero, nona e tantas outras.
Em sua trama principal, há polarização entre duas famílias de imigrantes italianos, cujos patriarcas são: Antonio Mezenga e Giuseppe Berdinazzi, protagonizados por Antonio Fagundes e Tarcísio Meira, respectivamente. A primeira fase se passa na década de 1940, onde as duas famílias são proprietárias de fazendas vizinhas, porém, divergem quanto a existência da cerca entre as mesmas, por causa de um riacho que corta a divisa. Ora a cerca está do lado dos Mezenga, ora do lado dos Berdinazzi. O ódio entre eles inicia alí e atravessa gerações.
A fase da atualidade, na década de 1990, ambas as famílias já estão milionárias, de um lado Bruno Mezenga, interpretado por Antonio Fagundes, morador em Ribeirão Preto, SP, possui diversas fazendas de gado de corte espalhadas pelo Brasil, conhecido como ‘O Rei do Gado’ e, do outro lado, Geremias Berdinazzi, seu tio, vivido por Raul Cortez, morador da zona rural de Guaxupé, MG, o qual, descaradamente, roubou sua própria mãe Marieta, seu irmão Giácomo, pai de Marieta/Luana, cujo único sonho é encontrar Marieta, sua sobrinha, filha de seu irmão Giácomo e deixar para ela toda sua fortuna. É criador de vacas leiteiras e possui milhares de pé de café. Apesar do ódio permanente entre as duas famílias, são pessoas bem quistas e que giram a economia do país.
Benedito Ruy Barbosa mistura a ficção e a realidade, quando desenvolve em sua trama, outros temas paralelos tão recorrentes, tanto no final do século passado, quanto nos dias atuais. Na primeira fase da novela, ele aborda, o horror da guerra, a participação de Bruno Berdinazzi, tendo como interprete Marcelo Antony, na II Guerra Mundial. Como pracinha brasileiro lutou bravamente nas trincheiras da Itália, todavia fora morto. Sua família que o esperava vivo, recebe em troca uma medalha. É bom lembrar que Bruno era o único que não concordava com a briga entre os Berdinazzi e os Mezengas, inclusive, incentivava o casamento de sua irmã Giovana com Enrico Mezenga, pais do futuro ‘Rei do Gado’,
Já na segunda fase, aborda o drama dos ‘boias frias’ que trabalham no corte da cana, de sol a sol. Os trabalhadores são transportados sem nenhuma segurança, como mostra o desastre ocorrido com o caminhão onde viajavam Giácomo Berdinazzi e sua família, que caiu numa ribanceira, restando apenas sua filha Marieta/Luana, inicialmente, sem memória dos fatos, vivido por Patrícia Pilar; a questão da violência contra a mulher, com os personagens Léa, vivido por Sílvia Pfeifer e Ralf, por Oscar Magrini, este um cafetão, cujas ações levam o seu filho Marcos, interpretado por Fábio Assunção, a tomar as dores da mãe, chegando ao Tribunal; a questão da moral na política, com Carlos Vereza, na pele do senador Roberto Caxias, um parlamentar honesto, porém, como o famoso Dom Quixote, de Cervantes, lutava contra os moinhos de vento, o senador lutava contra o poder estabelecido da corrupção; outra trama é do MST, coordenado por Regino, vivido por Jakson Antunes, à procura de ocupar terras de latifúndios improdutivos e distribuí-las a quem a cultive, em busca da tão sonhada Reforma Agrária. Os confrontos são constantes entre fazendeiros e integrantes do movimento, que muitas vezes acabam em chacina.
Em contraponto, para amenizar as tensões, o lado cômico, a dupla ‘Saracura e Pirilampo’, interpretada pelos cantores Sérgio Reis e Almir Sater, respectivamente. No início a dupla era desconhecida, como diria ‘sem eira, nem beira’. Com o desenrolar da trama, com sua cantoria, os dois conhecem o sucesso, com a ajuda incondicional de Lia, com Lavínia Vlasak, filha do Rei do Gado, que aposta alto na dupla e em seu amor por Aparício, o Pirilampo. A novela termina nesta semana e deixará saudades em seus telespectadores!

 

José Antonio Merenda
Escritor, ator, historiador e
membro da ABC – Academia Barretense
de Cultura – Cadeira nº 29

Compartilhe: