Ir para o conteúdo

domingo, 30 de novembro de 2014

Artigos

O que fazer – e o que não fazer – durante a gravidez?

O mágico período de nove meses traz consigo atenção e maiores cuidados com a futura mamãe – e com o bebê.
 
A descoberta da gravidez é um momento de extrema felicidade. Tanto para aqueles que planejam quanto para aqueles que recebem a notícia de surpresa, não dá para negar que quando a mulher descobre que tem outra vida habitando o seu corpo, ela não se sinta ao menos emocionada. Porém, junto com a emoção, o choque da notícia e a felicidade, vem também a necessidade de novos cuidados que devem ser tomados durante esse período – que, quando são bem orientados e seguidos pelo médico, podem assegurar uma vida praticamente normal para a futura mamãe.
Existem sim certas contra-indicações para as mulheres grávidas, mas isso não as deve impedir de viver uma vida normal e aproveitar esses nove meses, que passam em um piscar de olhos. 
A situação só se torna um pouco mais complicada quando se trata de grávidas de risco, já que essas precisam dedicar ainda mais a sua vida durante esse período para que o seu filho nasça com a saúde perfeita. Esse é o caso de Carol Chab, radialista e engenheira agrônoma de 28 anos, grávida do seu primeiro filho e diagnosticada com trombofilia – uma grande possibilidade de desenvolver trombose durante a gravidez. “Entendo que os cuidados que eu devo ter são maiores do que os considerados ‘normais’: mas vale a pena. Preciso fazer uso de medicação especial, meia de compressão, não ficar muito tempo parada na mesma posição, fazer caminhadas leves e repousos. Nada muito sério”, comenta Carol.
Porém, para mulheres que apresentam uma gravidez saudável e sem risco, os cuidados são ainda mais tranquilos. “Sabemos que durante esses nove meses temos uma vida dentro de nós, mas, ao mesmo tempo, não podemos deixar de viver a nossa vida – afinal, gravidez não é doença”, relembra Carol.
O que deve ser evitado são os excessos e atividades que exponham a saúde da mulher, como fazer tatuagens, doar sangue, exercícios físicos muito pesados e o uso de álcool de tabaco. O sexo, por exemplo, é permitido durante todo o período da gravidez – só é preciso que a mulher sinta-se confortável e encontre posições para que se sinta segura com isso. Já outras atividades são até recomendadas, como a ioga e pilates por exemplo. Ela auxilia na manutenção do equilíbrio, na força muscular e na flexibilidade, e, além disso, os exercícios de ioga ajudam a preparar o corpo feminino para as mudanças físicas da gravidez e para o momento do parto.
Porém, independente de ser uma gravidez de risco ou não, Carol lembra da importância do pré-natal e de seguir a risca as orientações médicas. “Essas consultas tiram todas as nossas dúvidas e nos deixam mais seguras em relação a ter um filho. Para as mães de primeira viagem, assim como eu, é muito importante esclarecer qualquer tipo de pergunta que a gente tiver em mente – mesmo que sejam bobas. Faço uma lista de perguntas e não tenho vergonha de fazer ao médico. Além disso, as orientações para cada mulher são essenciais para que a gente consiga ter uma gravidez saudável, sabendo o que devemos evitar e as atitudes que devemos tomar em cada caso”, conclui a radialista.

Compartilhe: