Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

O que é e o que não é Caridade

8 É pela graça que fostes salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós: é dom de Deus! 9 Não vem das obras, de modo que ninguém pode gloriar-se” (Ef 2).
3 Se eu gastasse todos os meus bens no sustento dos pobres e até me entregasse como escravo, para me gloriar, mas não tivesse amor, de nada me aproveitaria (1Cor 13).
Para que não ocorram equívocos no próprio comportamento, quando se pretende “fazer caridade”, sempre é necessário discernir bem o que é o amor ao próximo, por amor a Deus. Porque pode acontecer que alguém, menos avisado, procure fazer “boas obras” no sentido de acumular méritos para si mesmo e obter sua salvação por direito adquirido, de modo que, devido a elas, possa exigir sua entrada nos céus.
Reflitamos, pois, nestes dois seguintes exemplos, dentre tantos:
• A pessoa doa uma cesta básica mensalmente a alguma instituição, porque lhe é gratificante e “se sente bem” por sua generosidade. Talvez faça isso em sigilo, sem a esquerda saber o que a direita faz. Ela, porém, visa a si mesma. Já recebeu a sua recompensa.
• Dar publicidade na mídia de qualquer tipo, inclusive em redes sociais, de suas doações, até mesmo expondo pessoas carentes “beneficiadas”… Mesmo que seja para “servir de exemplo” a outros, para que façam o mesmo.
É preciso saber, portanto, que este tipo de “boas obras” não é recomendável para quem tem ciência do que é a verdadeira caridade que Jesus nos ensina. Uma pessoa não acumula méritos porque se acha bondosa, porque “Só Deus é bom” (Mc 10,18). Jamais uma pessoa se deve gloriar por suas boas obras ou procurar seu próprio benefício. É Deus quem julga as intenções das pessoas, o motivo de seus atos.
A caridade que deve ser feita corretamente é aquela que se faz primeiro porque se ama a Deus sobre todas as coisas, e segundo é para beneficiar o próximo, e nunca a si mesmo. Por isso o Apóstolo nos diz que não adianta até doar todos os seus bens para os pobres, se a pessoa não tiver o verdadeiro Amor.

 

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: