sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Artigos

O exercício da caridade como missão, cuidado e sustento para a vida

Um terceiro olhar sobre o verdadeiro sentido da compaixão estabelecido por Jesus na parábola do bom samaritano (Cf. Lc. 10, 25-37) nos indica os caminhos para o sentido do dom da vida e a realidade de quem é o nosso próximo. Esse é justamente o olhar da “Caridade”.
Ao analisar o sentido intrínseco de uma ação caritativa, perceberemos que a caridade consiste em uma virtude teologal em amar a Deus acima de todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos. Deste modo, trata-se, portanto, de um amor “sem segundos interesses”, um amor por inteiro que se expressa a partir da dignidade e do respeito que cada ser humano em si possui, e não sobre a realidade do que ele pode nos oferecer.
Olhando para a realidade em que a caridade se manifesta é possível perceber três campos de sua atuação: 1. Caridade na Tradição cristã: em que a justiça não está desvinculada da caridade; 2. Caridade Social: atribuída na ação de amar o próximo no plano social valendo-se das mediações sociais para melhorar a vida dos menos favorecidos, removendo assim fatores que causam indigência, visando o serviço do bem comum; E por fim, 3. Caridade na Política: Um meio privilegiado para promover a paz e os direitos humanos, através da luta para fazer valer os direitos de todos os cidadãos previstos na constituição, através de políticas públicas uma realidade que foi trabalhada pela Campanha da Fraternidade 2019.
Ao observar a realidade de nossa sociedade perceberemos que estas três atuações representam um grande desafio, porém, se bem trabalhadas traduzirão a concepção misericordiosa de justiça em estruturas jurídicas e políticas, na construção de uma verdadeira democracia (não apenas nominal, mas que vele pela dignidade do ser humano) que é objetivo principal da caridade.
Através das palavras de Santa Dulce dos Pobres que dizia que “o importante é fazer a caridade, não falar de caridade. Compreender o trabalho em favor dos necessitados como missão escolhida por Deus”, nos empenhemos neste tempo da quaresma, tempo de conversão a aprendermos e compreendermos a realidade da caridade que cuida, sustenta e edifica a vida como um dom que Deus nos concede para humanizar o mundo onde quer que estejamos.

Daniel Canevarollo
Seminarista

Compartilhe: