Ir para o conteúdo

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Artigos

O dom de permanecer

Uma das principais características da fé cristã é a busca pelo equilíbrio. Perpassando todas as dimensões da existência (física-material, mental, psíquica e espiritual), a busca pela estabilidade é processo contínuo que, de forma livre, consciente e responsável, possibilita ao homem, individual e coletivamente, alcançar uma maturidade considerada, verdadeiramente, progresso. Jesus Cristo é a referência aos que assumem trilhar este caminho como opção de vida e fé.
Contrapondo-se ao supérfluo, passageiro e instável, a vivência da fé cristã propõe, em sua essência, profundidade, permanência e estabilidade, às quais, permeadas por valores sólidos, vividos na verdade, coerência e fidelidade, possibilitarão ao homem tornar-se, cada vez mais, protagonista na construção de sua história, consciente dos limites próprios de sua natureza e aberto a relação madura com Deus e com a alteridade, gerando fraternidade. Os Evangelhos sintetizam este caminho ajudando-nos a perceber a concretude desta proposta.
“Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, produz muitos frutos; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5). O seguimento fiel de Jesus exige comprometimento. Assim como o fruto manifesta a qualidade da planta, o que o humano produz, seus frutos, manifestam aquilo que, de fato, ele é. Permanecer, mais que simplesmente estar unido, significa estar em comunhão. Quando alvejados por tempestades e dissabores somos tentados a romper a relação com Deus. Nesse sentido, alguns cuidados são necessários:
1º Exercitar o senso de realidade e aceitação. A não aceitação leva-nos a fugir da realidade, adoecendo-nos;
2º Cultivar a esperança, que revela a meta e inspira-nos a alcançá-la. O desespero rouba-nos a capacidade de sonhar;
3º Nutrir a caminhada com Amor. Ódio e raiva nos endurecem por dentro e por fora, paralisando-nos;
4º Bendizer sempre. Maledicências e atitudes destrutivas conduzem-nos ao abismo da infelicidade;
5º Fincar raízes naquilo que nos sustenta, superando a tentação de abandonar nossas referências positivas;
O dom de permanecer em Deus, no que Dele provém, por Ele passa e a Ele conduz é graça a ser cultivada a cada dia, todos os dias. Lançar raízes no transitório e imediato e certeza de queda, derrota e sofrimento. Na força da oração, abastecidos por uma espiritualidade sadia, que nos leva ao encontro do outro e exige que o acolhamos, sejamos construtores de um mundo melhor, colaborando para que, no hoje da história o sonho de Deus aconteça. Dá-nos, Jesus, o dom de permanecer em Ti!

 

 

Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia
ivanpsicol@hotmail.com.

Compartilhe: