Ir para o conteúdo

segunda-feira, 20 de maio de 2024

Artigos

O Dia Mundial do Pobre, em Barretos, será celebrado dia 12

Neste mês ocorre o Dia Mundial do Pobre que, neste ano, se dá no dia 19 de novembro, ou seja, como de costume no 33º Domingo do Tempo Comum. Aqui, na cidade de Barretos, antecipamos esta celebração para domingo próximo, dia 12.
A cada ano, para este dia, o Papa envia uma mensagem chamando a atenção para algum texto bíblico, em que se evidencia a importância da atenção e do cuidado para com os pobres. Neste ano, com o lema: “Olhe para mim”, o Papa serve-se de um versículo do livro de Tobias: “Nunca afaste de algum pobre o teu olhar”. Trata-se de uma recomendação que o pai Tobias faz ao seu filho: «Dá esmolas, conforme as tuas posses. Nunca afastes de algum pobre o teu olhar, e nunca se afastará de ti o olhar de Deus» (Tb 4,7).
Tobias, que se tornara cego, experimentou a pobreza de forma cruel, por isso é capaz de compreender e compadecer-se daqueles que se encontram na necessidade. Curado por Deus, de forma extraordinária, ele afirma que o olhar de Deus se dirige especialmente aos que não desviam o olhar do pobre.
Assim, Francisco nos adverte sobre a realidade em que vivemos, que não favorece a atenção aos pobres. A realidade virtual acaba por sobrepor-se à vida real. Às vezes a imagem do pobre nos comove, mas na maioria das vezes não passa de uma comoção passageira. Num mundo marcado pela pressa, acabamos por não ter tempo para parar, socorrer e cuidar do pobre.
A parábola do bom samaritano, no dizer do Papa, não é uma realidade do passado, mas é bem atual, que desafia a todos nós que, com facilidade, delegamos aos outros o cuidado com os necessitados.
“O Livro de Tobias – escreve o Papa na sua Mensagem – ensina-nos a ser concretos no nosso agir com e pelos pobres. É uma questão de justiça que nos obriga a todos de procurar-nos e encontrar-nos reciprocamente, favorecendo a harmonia necessária para que uma comunidade se possa identificar como tal. Portanto, interessar-se pelos pobres não se esgota em esmolas apressadas; pede para restabelecer as justas relações interpessoais que foram afetadas pela pobreza. Assim, «não afastar o olhar do pobre» leva a obter os benefícios da misericórdia, da caridade que dá sentido e valor a toda a vida cristã”.
Com certeza nossa adesão à celebração do Dia do Pobre será expressão daquela comunhão que nos faz contemplar o mesmo Jesus nas espécies eucarísticas e nos rostos daqueles com os quais Ele diz se identificar (cf. Mt 25,31-46).

Por: Dom Milton Kenan Jr.

Compartilhe: