Ir para o conteúdo

segunda-feira, 22 de abril de 2024

Artigos

O Coração de Jesus é sagrado e devemos adorá-lo

Adoramos só a Deus. Adoramos o Pai, adoramos o Filho e adoramos o Espírito Santo, porque essas três pessoas são o nosso Deus. No entanto, somente adoram Jesus Cristo os que acreditam que ele é um Homem-Deus, que esteve aqui pessoalmente na terra há uns dois mil anos.
Por isso há, atualmente entre nós, bilhões de pessoas que não o adoram. E assim como ele, na cruz, pediu ao Pai que perdoasse todos que o maltratam ou não creem, repetimos a Deus o mesmo pedido do Filho, porque de fato essas pessoas não sabem o que fazem. Não sabem e geralmente não procuram saber. Insistem continuadamente que ele foi apenas um sábio ou um profeta que aqui nasceu, viveu e morreu.
Realmente, por ser um verdadeiro homem, ele morreu mesmo, e até teve um soldado que, de posse de uma lança, ainda lhe desferiu um golpe no coração, para se certificar que ele estava mesmo morto. Na hora ainda espirrou dessa ferida sangue e água.
Na minha opinião, costumo dizer que não foi só esse soldado que lhe abriu esse buraco no coração, com esta lança. Acho que cada um de nós também segurou essa lança, junto com o soldado, porque todos nascemos no pecado e foi todo este sangue derramado, até à última gota, que este Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, nos redimiu.
Deus é tão misericordioso, mas tão infinitamente bondoso conosco, que mesmo assim ainda nos convida a entrar em seu Sagrado Coração por este buraco que ali fizemos. A Hóstia, no “milagre de Lanciano”, transformada em carne há uns 1.300 anos, e que se conserva milagrosamente até hoje, é de fato carne do coração de Jesus, isso já atestado cientificamente.
A Igreja recomenda uma prática importante e significativa ao dedicar todas as sextas-feiras ao culto do Sagrado Coração de Jesus, notadamente nas primeiras sextas-feiras de cada mês, quando as pessoas recebem a Eucaristia nessa expressiva tradição tão difundida por inúmeros santos e santas, a pedido do próprio Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

 

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: