Ir para o conteúdo

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Artigos

O caminho dos justos

Nenhum sábio ou místico, nem Buda, nem Confúcio acreditaram jamais que as suas doutrinas provocassem entre os homens uma oposição tão grande que acabariam lhes causando mortes violentas.
Nenhum mestre humano afirmou que seus discípulos teriam sorte semelhante à sua e muito menos que morreriam como eles. Sócrates com toda a sua sabedoria nunca disse aos jovens filósofos de Atenas que bebessem veneno, por ele sim ter feito, para morrer.
Nosso Senhor Jesus Cristo fez da cruz a base da sua primeira instrução aos Apóstolos. Disse ainda que os sofrimentos que haveriam de suportar seriam idênticos aos que Ele suportaria. O Cristo foi chamado de Cordeiro, pois seria sacrificado pelos pecados do mundo e todos os que estavam identificados com Ele, foram alertados que teriam o mesmo destino.
E como a Palavra de Deus é eterna, ela serve perfeitamente para todos os que se dispõem a ser mais íntimos dele, denunciando o Mal e lutando para viver o Bem. Este também serão menosprezados, criticados, tidos como sonhadores e falsos, mas perseverando na crença de que só a Cruz salva, sentirão, ainda aqui, a paz dos justos, que só o Filho de Deus, feito Homem, poderia dar.

Compartilhe: