Ir para o conteúdo

quinta-feira, 30 de maio de 2024

Artigos

NUANCES DE UMA CIDADE

Bom Dia Barretos.

Tenho uma afinidade muito grande com as coisas de Barretos. Torço para que qualquer empreendimento aqui realizado dê certo. Creio que muitas vezes, vibro com as coisas que aqui acontecem, talvez, até mais que os próprios investidores. Por ter essa afinidade com Barretos é que não consigo entender algumas esquisitices que aqui ocorrem. Vejamos uma que está em andamento.
Sabemos que o Natal é a festa da família, onde reunimos todos os membros em casa, mesmo os mais distantes para nos confraternizarmos. Pais, filhos, irmãos, sobrinhos, cunhados, genros, enfim, todos que fazem parte da nossa história familiar. Já o réveillon é uma festa mundana, onde nos reunimos com amigos e conhecidos, para brindarmos a chegada de um novo ano.
Ano passado, lamentei a ausência da festa de réveillon que tradicionalmente o Grêmio realiza, reunindo seus associados e parte da sociedade barretense. Vibrei quando a atual diretoria definiu que realizaria o réveillon este ano. Depois, fui surpreendido pelo anúncio da festa do réveillon que os Independentes farão realizar no Parque do Peão.
Até pouco tempo atrás, gremistas e independentes se revezavam nas diretorias, ora do Grêmio, ora dos Independentes, demonstrando a perfeita afinidade entre ambos. Creio que a maioria, para não dizer a quase totalidade dos Independentes, é sócia do Grêmio e a maioria dos gremistas, de uma maneira ou de outra, está ligada à história dos Independentes. Se o réveillon é uma festa de confraternização, reunindo amigos e conhecidos, seria mais lógico, as duas diretorias se reunirem e definirem a realização do réveillon alternando entre um ano na sede social do grêmio, e no outro, no Parque do Peão.
Será que a realização das duas festas, em vez de reunir os amigos numa confraternização, não irá levar a um certo esgarçamento desnecessário do tecido social barretense. Será que faltou diálogo, será que faltou uma pitada de bom senso, ou foi um mero desencontro.
Creio que ainda há tempo para se buscar um entendimento e estabelecer alternância na realização da festa, um ano em cada local. Ganharia com isso, não só os clubes, mas a cidade como um todo, vendo seus filhos se confraternizando juntos e não divididos. São nuances de uma cidade onde todos procuram se superar em realizações de sucesso.
Parabéns a todos pelas iniciativas, mas acho que ainda valeria à pena sentar para conversar, enquanto esperamos o Rio das Pedras anunciar o seu réveillon, e quem sabe, o poder público anunciar um réveillon popular na Região dos Lagos.

Bom Dia Barretos.

Compartilhe: