Ir para o conteúdo

sexta-feira, 20 de maio de 2022

Artigos

Nova mártir brasileira será beatificada no dia 24 de outubro

O Brasil ganhará uma jovem beata conhecida como “heroína da castidade”. Benigna Cardoso da Silva será beatificada em 24 de outubro de 2022, dia em que se celebra o seu martírio. A jovem, nascida no Ceará, foi assassinada aos 13 anos por lutar pela sua virgindade.
A beatificação da menina foi anunciada em uma coletiva de imprensa pela Diocese de Crato (CE), e contou com a presença do bispo Dom Magnus Henrique e Pe. Wesley Barros, coordenador da comissão para a beatificação.
“Com júbilo e alegria proclamamos a data da beatificação da Menina Benigna, martirizada em nossa diocese. Deus seja louvado”, afirmou Dom Magnus.
A celebração acontecerá na Praça da Catedral de Nossa Senhora da Penha, no Crato, e será presidida pelo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos da Santa Sé, cardeal Marcelo Semeraro.
Ela ficou órfã de pai e mãe muito cedo, sendo adotada juntamente com seus irmãos mais velhos pela família “Sisnando Leite”. Era uma jovem muito simples e cheia de humildade. Extremamente religiosa e temente a Deus era assídua na participação eucarística.
Aos 12 anos de idade, Benigna começou a ser assediada por um rapaz com propostas de namoro, rejeitadas de forma categórica por ela, que nada queria com ele. Durante vários meses foi assediada. Até que na tarde do dia 24 de outubro de 1941, Benigna foi buscar água em um poço próximo à sua casa, e o rapaz ficou à espreita atrás do mato. Aproximou-se da jovem e tentou seduzi-la, e mais uma vez foi rejeitado. Ele tentou agarrá-la e Benigna lutou bravamente contra seu agressor.
Percebendo que a jovem não cederia, enfureceu-se e sacando um facão a golpeou cortando-lhe os dedos da mão. Ela continuou a lutar, dizendo que preferia a morte a pecar contra a castidade. Depois disso foi atingida na testa, nas costas e por fim no pescoço.
O assassino foi preso, pagou pelo seu crime e, arrependido, voltou ao local 50 anos depois para chorar, elevar preces e pedir perdão a Benigna. Neste retorno, relatou sua mudança de vida, sua conversão ao cristianismo. Segundo ele, seu ato foi de loucura e “ela se mostrou virtuosa, quando resistiu para não pecar e não apenas para ver se escaparia”.
Fonte: ChurchPOP

 

www.diocesedebarretos.com.br / [email protected]

Compartilhe: