Ir para o conteúdo

terça-feira, 23 de maio de 2017

Artigos

Nossa Senhora nos visita

Quando fui visitar a Canção Nova em Portugal, um padre me contou o que ele ouviu diretamente do capelão que atendia lá no carmelo onde estava Lúcia, uma das três crianças que viram as aparições de Nossa Senhora que se tornou carmelita, em Coimbra. 
Esse capelão contou que um dia irmã Lúcia estava parada num corredor e quando a madre superiora chegou perto e a viu naquela situação, pensou que estivesse em oração. Respeitou um pouco, mas depois bateu no ombra dela e disse: “Irmã Lúcia, desculpe tirar a senhora da oração, mas eu tenho que dar esse recado”, e irmã Lúcia respondeu: “Nenhum problema, eu não estou rezando”. Então, a madre perguntou o que ela estava fazendo e Lúcia respondeu: “A senhora não viu? Aí sentada nesta cadeira?”
A madre olhou admirada e Lúcia caiu em si e disse: “Madre, desculpe”. E explicou que era Nossa Senhora que estava ali sentada na cadeira conversando com ela. E a madre disse: “Mas Lúcia, o que é isso?”. Ela respondeu: “Sim madre, mas não fique admirada não, porque ela faz isso com frequência, e não foi só agora. Ela anda pelos corredores da nossa casa, vai à nossa capela, refeitório, apenas eu tenho a graça de ver, a senhora e as outras irmãs apenas não a veem, mas que ela está aqui conosco no mosteiro é verdade”.
Quando ouvi esse relato, lembrei que minha mãe teve a graça de vê-la também, nos últimos momentos de sua vida. E eu posso dizer que Nossa Senhora vai à sua casa. Especialmente nas horas mais difíceis. Se você está passando por um problema grave, uma situação complicada, que para você é impossível, tenha certeza: Nossa Senhora está lá! Ela permanece com você. 
Se a sua dor é muito grande, parece que você não vai aguentar, tenha certeza, do jeitinho que Ela fez com minha mãe, nessas horas mais difíceis, mais doloridas, Ela está presente e quer que você tenha certeza disso, para que recorra sabendo que Ela está com você. Assim como a irmã Lúcia, que você tenha liberdade de conversar com Ela.
Eu sei que para irmã Lúcia era mais fácil, porque tinha a graça de vê-la, mas que a gente possa falar de coração, de filho para mãe. Apresente e conte as suas dores. É isso que Ela quer. Ela é mãe e vem em auxílio dos seus filhos. 
Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Compartilhe: