Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

Normas humanas e normas divinas

A liberdade é um dom de Deus ao ser humano. Inteligência e Vontade livre são atributos divinos, mas concedidos ao ser humano que é criado à sua imagem e semelhança. E esses atributos o diferenciam de todas as demais criaturas e animais vertebrados ou invertebrados. O ser humano é sui generis = “sem semelhança com nenhum outro, único no seu gênero; original, peculiar, singular.”
Quanto à liberdade de cada um, é indiscutível que o seu mau uso lhe pode trazer consequências, leves ou gravíssimas. Totalmente óbvio. O ser humano é criado, fruto de um casal, para conviver, ou seja, nem nasce por si mesmo e nem consegue sobreviver sozinho. E a convivência o obriga a seguir normas na sociedade de vários tipos e origens.
Há normas não escritas que devem ser respeitadas e obedecidas dentro de cada casa, nas famílias. Até uma pessoa que more sozinha costuma seguir as próprias normas que para si estabelece, em relação a si e aos outros. E é o que mais temos: normas ou leis nas escolas, nas empresas micro ou multinacionais, em clubes e instituições civis ou religiosas, no trânsito, e, é claro, as leis governamentais, civis ou penais, que, se desobedecidas, podem acarretar advertências, multas, apreensões, penhoras, perdas da liberdade e, em regimes tirânicos e até nos que se dizem democráticos, penas de morte.
Deus é o criador de tudo e o dono de tudo, de todo o universo. Ninguém nunca tem bens e riquezas definitivamente, porque ao deixar a existência terrena, perde o que achava que tinha. E como Deus é Amor, só ele é bom e perfeito, logicamente tem todo o direito de estabelecer normas que o ser humano precisa obedecer “se tiver juízo”, ou seja, desobedecê-las lhe trará consequências fatais para sua existência eterna.
Muitos “querem”, depois da existência terrena, ir morar nas muitas moradas na casa do Pai (Jo 14,1ss). Nem todos conseguem, porque o Caminho é único, a porta do reino celeste é estreita, por onde não passam os que, usando mal sua Liberdade, deram de ombros para as normas divinas.

 

 

(Por: Diácono Lombardi)

Compartilhe: