Ir para o conteúdo

segunda-feira, 04 de março de 2024

Artigos

Navio ou jangada?

Certamente, para muito a pergunta soa estranhamente. Afinal, navio e jangada, embora sejam modalidades de embarcações, de forma alguma parecem compatíveis, tampouco comparáveis; de fato, cada um deles, navio e jangada, possui suas especificidades, de acordo com sua natureza. Valemo-nos destes dois recursos de navegação, como metáforas, para refletir acerca da vida e, mais ainda, sobre como lidamos com o mais belo e desafiador de todos os dons: o bem viver.
A princípio escolher entre navio e jangada parece fácil e rápido, afinal de contas, as proporções, tamanho e recursos que diferenciam, absurdamente, um do outro, levam-nos, imediatamente, a decidir por aquele que, além de representar o sonho de consumo de muitos (quem nunca sonhou em fazer um cruzeiro?), representa, igualmente, o sonho existencial da maioria das pessoas: ser grandioso, imponente e reconhecido. É impossível não dar-se conta de um navio que, desde muito longe, faz-se notar, anunciando a que veio.
A jangada, para a maioria das pessoas, sequer inspira confiança. Talvez as esportivas sejam contempladas entre os desejos de poucos; no entanto, a jangada tradicional representa pequenez, fragilidade e insegurança. Enquanto, a princípio, imaginamo-nos capazes de construir uma jangada, a possibilidade de construir um navio, passa longe do repertório dos comuns dos mortais. Nunca encontrei alguém cujo sonho de consumo fosse um passeio de jangada, ou, cujo sonho existencial a ela se assemelhasse.
O mar pode ser comparado ao grande caminho da vida, diante do qual a existência humana, valendo-se da consciência e liberdade, clama por encontrar sentido e significado. Este caminho naturalmente marcado por desafios e percalços mil, precisa ser percorrido com prudência, inteligência, sabedoria e leveza. Percorrer o caminho como navio ou pequena embarcação? Em tempos de holofotes e stories, o deslumbre por ser navio, ocupa espaço em todos os segmentos.
O navio é grande e imponente tanto quanto pesado e complicado. O caminho pela busca de sentido e significado existencial, quando pesado e complicado, sucumbe e leva ao fracasso, disso não nos faltam exemplos. Ao contrário do que se pensa, a construção da jangada exige expertise e, seu manejo, experiência e sensibilidade na lida com as variáveis. Desafios e riscos sempre existirão! No entanto, o anseio por encontrar sentido de forma suave e leve figura, em nossos dias, entre os gritos de socorro.

 

 

Ivanaldo Mendonça
Padre, Pós-graduado em Psicologia
ivanpsicol@hotmail.com

Compartilhe: