Ir para o conteúdo

terça-feira, 22 de abril de 2014

Artigos

NA SOLIDÃO DA MADRUGADA

Quando todos adormecem as grandes ideias acordam.
Muitas vezes a solidão da madrugada é nosso quartel general. Delas nascem ideias dignificantes com nossa ousadia nua.
Sentir solitário no antro da madrugada é se assenhorear das convicções contagiantes que enriquece o dia seguinte.
Sentir uma exceção no seio da madrugada acordado é se contemplar com as façanhas do pensamento, caminhando, robustamente, para o fluxo natural do agigantamento da vida.
Sob a solidão da madrugada erguemos qualquer solução independentemente de seu peso.
O prazer de pensar sem ações nos leva ao encantamento, mas imiscuir essas ideias na construção da realidade nos torna guerreiro convicto.
O pensamento nascido sob o sereno da madrugada tem o poder de fuzilar a entrada do sol com inteligência dos cientistas da NASA.
Os planos da madrugada são balas de nosso revolver da realidade. E ao assassinar as adversidades encontradas tornamos ídolo de nossa própria historia.
O olhar da madrugada é amplo e profundo, pois nasce de nosso próprio intimo. Incendeia os terrenos baldios com a voracidade de um leão enfrentado.
Os planos da madrugada não tem nada de pequenez, pois nasce de nossa grandeza intima extrema.
O silencio da madrugada é propicio a pensamentos grandiosos, porém não tem fronteiras e seus deslocamentos para a realidade vespertina exigem a manutenção de nossa força interior.
Se  à madrugada que as estrelas brilham devem ser deste brilho exterior que ilumine nossa intimo de grandezas de ações compactuada com as ideias da madrugada.
A madrugada é uma travessia das utopias para realidades com adversidades transpostas. Seja um personagem da madrugada, mas seja também um personagem consciente de sua própria história grandiosa, tornando uma locomotiva no ritmo sonolento do cotidiano.
 
JUAREZ  ALVARENGA
ADVOGADO E ESCRITOR

Compartilhe: