Ir para o conteúdo

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Artigos

Momento de celebrar

Há apenas três anos, o Hospital de Transplantes do Estado Euryclides de Jesus Zerbini, na capital paulista, iniciava sua missão para ser o principal centro público especializado em transplantes de órgãos e tecidos no Brasil. Desde então, foram mais de 800 transplantes. Nesse desafio de seguir com a missão de oferecer serviços de excelência em uma das especialidades mais complexas da medicina, já representamos 10% do número de transplantes públicos no Estado de São Paulo.
Neste Dia Nacional de Doação de Órgãos (27 de setembro), celebramos conquistas importantes na área. Agradecemos primordialmente às famílias que, no momento de luto, foram capazes de se solidarizar para salvar outras vidas. É importante ressaltar que um único doador consegue ajudar mais de 12 pessoas. 
Ao reconhecermos o impacto desse gesto na história de milhares de famílias, lembramos que a decisão de ser doador de órgãos deve ser manifestada ainda em vida, por meio de conversa com os familiares.
Como médico especialista na área, reforço a necessidade da população para que cada vez mais se posicionem como doadores de órgãos. Nesse anseio, celebramos a vida comemorando os resultados alcançados pelos profissionais de saúde do Hospital de Transplantes envolvidos neste processo. São eles que estão 24 horas de prontidão para possibilitar uma nova chance a tantos pacientes cansados de esperar nas filas.
Todo esse empenho tem sido cada vez mais reconhecido, e consolidado por meio da parceria entre o governo do Estado e a Organização Social Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM). Desde o início, em 2010, quando a SPDM assumiu a gestão do então Hospital Brigadeiro para implantar um serviço especializado em transplantes, houve ampliação maciça da complexidade e o crescimento substancial da produção hospitalar – que já realizava transplantes de rins, córneas e medula óssea. Também foram modernizados e aperfeiçoados os fluxos de trabalho, ampliando a capacidade de recursos humanos com profissionais altamente qualificados. Com isso, o hospital passou a realizar também transplantes de fígado e de pâncreas.
Um dos exemplos dessa mudança se evidencia em algumas estatísticas comparativas. Em um ano de funcionamento, o hospital já havia multiplicado por cinco, o número de cirurgias de transplantes. Uma das comparações mais emblemáticas evidencia que, em 12 anos, o antigo serviço havia realizado 203 transplantes de medula óssea. Em três anos (até agosto de 2013), já foi possível alcançar quase a mesma marca com 179 transplantes de medula óssea. Já atingimos também 143 transplantes de córneas, com o dobro de produção comparado a 2009. Neste período relativamente curto, também nos tornamos o terceiro maior hospital com transplantes de fígado do Estado de São Paulo, e temos, até agosto deste ano, 153 transplantes, além de 309 de rim. 
Ao acompanharmos essa trajetória tão curta, endossamos o sucesso do modelo de gestão das Organizações Sociais (OS) nas unidades do SUS. Os números comprovam não só ganho de produtividade como também a eficiência e eficácia nos gastos públicos. Lembrando que os números refletem o trabalho na gestão de um serviço 100% SUS. Além de investir em assistência médica à população, o Hospital também é um polo formador de profissionais, com residências, estágios, treinamentos e capacitações contínuas.
O saldo positivo de todo esse trabalho não é evidenciado apenas pelos números. Recentemente, o Hospital de Transplantes recebeu o selo de acreditação nível 1 da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que certifica a qualidade dos hospitais. Com isso, São Paulo sai na frente tendo o primeiro serviço público com transplante de fígado com este certificado. O momento é de celebração e também de justo agradecimento aos 1.425 colaboradores da instituição. Cada setor tem mérito nesta conquista, pois cada profissional luta diariamente não para gerar indicadores e números, mas para manter e melhorar inúmeras vidas.
 
Carlos Baía, médico, é responsável pelos transplantes de fígado do Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo

Compartilhe: