Ir para o conteúdo

quinta-feira, 30 de maio de 2024

Artigos

A missão da Igreja

Nós ouvimos falar muitas vezes da Igreja. Até nos disseram que nós que, pelo sacramento do Batismo, fazemos parte dela. Ensinaram-nos a rezar, a participar da missa, a receber os sacramentos, e a ser bem comportados para fazer parte da mesma. Tudo isto é necessário, porém não é o suficiente. Fazendo isto a nossa presença na Igreja é inútil e até pode ser perigosa, porque, assim, nós podemos rezar muito e não fazer nada para ajudá-la a cumprir a sua missão, como, infelizmente, está acontecendo com a maioria dos cristãos.
Cristo fundou a sua Igreja não só para rezar, mas para cuidar do mundo que Deus criou para que não faltando nada para ninguém, todos nós possamos viver em paz e ser felizes. E não é isto que vemos acontecer nem naqueles que afirmam anunciar a Palavra de Deus. Por isso, hoje somos convidados a reconhecer onde está a causa da corrupção e de violência que perturba a todos.
Deus começa a formar o seu povo (Gn 18,1-10), preparando a primeira família. Eis a importância de conhecer o Antigo Testamento. Abraão e Sara era um casal sem filhos e ambos eram estéreis. Ele estava sentado na sombra do carvalho de Mambré à frente de sua tenda, no maior calor do dia. “Levantando os olhos, viu três homens de pé, perto dele. Assim que os viu, correu ao seu encontro e prostrou-se por terra. E disse: ‘Meu Senhor, se ganhei tua amizade, peço-te que não prossigas a viagem sem parar junto a mim, teu servo. Mandarei trazer um pouco de água para vos lavar os pés, e descansareis debaixo da árvore. Farei servir um pouco de pão para refazerdes vossas forças, antes de continuar a viagem. Pois foi para isto que vos aproximastes do vosso servo’. E fez como havia prometido. No dia seguinte, antes de irem embora, eles lhe perguntaram: ‘Onde está Sara, tua mulher?’. ‘Esta na tenda’, respondeu ele. E um deles disse: ‘Voltarei, sem falta, o ano que vem, por este tempo, e Sara, tua mulher, já terá um filho’”. Todos conhecemos esta história, o que ninguém nos contou de que se a família, se não for para cuidar dos outros, principalmente para educar os filhos, não serve para nada. Por isso, valorizamos tão pouco a família.
Estranhamos o que nos diz São Paulo na sua carta aos Colossenses (1,24-28): “Irmãos, alegro-me de tudo o que já sofri por vos e procuro completar em minha própria carne o que falta das tribulações de Cristo, em solidariedade com o seu corpo, isto é, a Igreja. A ela eu sirvo, exercendo o cargo que Deus me confiou de transmitir a palavra de Deus em sua plenitude: o mistério escondido por séculos e gerações, mas agora revelado aos seus santos. A estes Deus quis manifestar como é rico e glorioso entre as nações este mistério: a presença de Cristo me vós, a esperança da glória. Nós o anunciamos, admoestando a todos, com toda sabedoria, para a todos tornar perfeitos, em sua união em Cristo. A fim de participarmos da família de Deus, aqui na terra, para continuar participando no céu”.
São Lucas (10,38-42) nos lembra a resposta dada por Jesus diante de um problema hoje frequente: Marta estava apavorada pelo trabalho, e Maria querendo ouvir a palavra de Jesus. As duas coisas são necessárias: sem trabalhar passa fome; sem a Palavra de Deus, o trabalho vira a escravidão. A solução é combinar as duas coisas. Sem a Palavra de Deus o homem vira uma fera!
Monsenhor Antonio Santcliments Torras
Pároco emérito da Paróquia São João Batista de Olímpia

Compartilhe: