Ir para o conteúdo

sexta-feira, 19 de abril de 2024

Artigos

Lobisomens: pecado irreversível que não tem perdão

Homens-animais são um tipo de pessoas piores que os animais selvagens, porque estes não têm culpa de sua selvageria, pois são predadores uns dos outros por instintos naturais dados por Deus, privados de razão e liberdade. Os homens-animais são caricaturados como “lobisomens” pelo próprio Cristo, que é Deus, quando enviou seus discípulos e apóstolos em missão como “cordeiros no meio de lobos”.

Os lobisomens não têm escrúpulos. Muitos agem com tanta hipocrisia que aparentam candura, boas intenções, preocupados com o bem comum, embora de seu interior saiam “más intenções, imoralidade sexual, roubos, homicídios, adultérios, ambições desmedidas, perversidades; fraude, devassidão, inveja, calúnia, orgulho e insensatez” (Mc 7,21-22).

Estes homens-animais, ao longo de milênios vêm provocando todo tipo de maldades e misérias, gananciosos, ávidos de poder e riquezas. Quando se tornam governantes, conquistando cargos de qualquer nível nas esferas cíveis, militares, judiciais ou administrativos, e, pasmem, inclusive religiosos, tornam-se tiranos, ditadores, cruéis.

E vejam só o que o Nosso Senhor nos manda fazer: evangelizá-los. Envia-nos dois a dois para o meio deles, para lhes dar a boa notícia de que Deus espera que eles percam seus instintos animalescos e se convertam em seus seguidores, de modo que sejam salvos enquanto há tempo. Pede-nos que saiamos por todo o mundo, batizando os povos em nome da Santíssima Trindade, garantindo que estará conosco sempre, por todos os séculos dos séculos.

Para isso Nosso Senhor até instituiu a Igreja, implantando aqui entre nós o Reino de Deus, que cresceu e cresceu e cresceu e até se tornou uma grande árvore. No entanto, pelo visto, foi apenas uma minoria, nestes últimos dois milênios, que aderiu ao projeto divino. Os tais lobisomens continuam empedernidos em suas maldades, até parecendo que são uma grande maioria na face da terra. Olhando a realidade humana, o planeta está cada vez mais degradado, caminhando para um estado terminal, com a imensa maioria de sua população sofrendo as agruras da miséria, com fome, guerras, destruição e mortes inumeráveis, tudo provocado por esses homens-animais que vivem no pecado contra o Espírito Santo.

E Jesus, que é Deus, nos disse que esse é o único pecado que não tem perdão. Não que Deus não queira ou não possa perdoá-los, mas sim porque eles rejeitam a Deus com toda a sua alma, com todo o seu entendimento, com todo o seu coração selvagem e endemoninhado. Nesse caso, uma situação de morte eterna, irreversível.

 

Por: Diácono Lombardi

Compartilhe: